29 jul Google Analytics: Descubra qual o horário de maior conversão e tráfego gerado pelas mídias sociais

O Google Analytics é uma ferramenta extremamente importante quando o assunto é mensuração, mas muitas pessoas andaram me questionando como monitorar o acesso do tráfego gerado pelas mídias sociais e como eu controlava a qualidade dessas visitas.

Visando esclarecer essa dúvida sobre como descobrir qual o horário de maior acesso ao site e qual o horário com maior conversão do tráfego vindo das mídias sociais, vou explicar como criar um relatório personalizado que dirá exatamente isso.

Vale ressaltar que o meu Google Analytics está configurado em inglês, dessa forma facilita o entendimento da maioria dos posts e tutoriais que achamos na internet sobre o GA nos blogs gringos.

Criando um Segmento Avançado no Google Analytics para as Mídias Sociais

Para começar a montar o relatório personalizado com o objetivo de descobrir qual o horário com maior acesso do tráfego gerado pelas mídias sociais, antes será necessário criar um segmento avançando (advanced segments) que fica no menu esquerdo do Google Analytcs. Depois de clicar em “advanced segments”, irá aparecer a imagem mostrada abaixo e ir em “Create new custom segment”.

Advanced Segments - Google Analytics

Advanced Segments – Google Analytics

Para criar o novo segmento avançado e customizado no Google Analytics, basta digitar no canto esquerdo a palavra “source” e selecionar a “conditions” > “contains” onde no “Value” irá conter o termo ou URL das mídias sociais que você quer que entre no relatório.

Na parte de baixo “and”, você irá acrescentar a métrica das visitas com a “conditions” > ”Greater than” com o “value” 0 (zero). Ou seja, qualquer valor de visita ao seu site feito em qualquer uma dessas mídias sociais escolhidas antes e que seja maior que 0 (zero), será contabilizado e mostrado no segmento avançado (advanced segments) do Google Analytics, como mostra a imagem abaixo já com as mídias sociais selecionadas.

Mídia Social - Google Analytics

Mídia Social – Google Analytics

Para finalizar a criação do segmento avançado no Google Analytics, defina um nome para o segmento. No caso, chamei de “Social Media” ou caso prefiram, “Mídia Social”. Teste o segmento para aparecer os números de visitantes ao lado como apareceu na figura acima.

Se tiver mais alguma dúvida sobre como segmentar os dados no Google Analytics, acesse o post da Mestre SEO, feito pela @Fabianemlima: “Segmentação de Dados no Google Analytics”.

Agora você irá voltar para o Dashboard do Google Analytics e no canto direito superior irá clicar em “All Visits” e escolher o segmento avançado denominado “Social Media” (ou qualquer nome que você tenha criado no passo anterior), como mostra a figura abaixo.

Dashboard - Advanced Segments - Google Analytics

Dashboard – Advanced Segments – Google Analytics

Criando um Relatório Personalizado no Google Analytics para as Mídias Sociais

Com o segmento avançado “Social Media” já criado e selecionado no Google Analytics, passamos a trabalhar com os dados coletados pelo GA somente voltado para as mídias sociais, que é o nosso objetivo.

O próximo passo para descobrir qual o horário de maior acesso e maior conversão no site via mídia social é criar um relatório personalizado “Custom Reports” em “My Customizations” e depois clicar em “Create new custom report”, como mostra abaixo a imagem do Google Analytics.

Custom Reports - Google Analytics

Custom Reports – Google Analytics

Defina um novo nome para o seu relatório customizado no Google Analytics, nesse caso eu chamei de “Melhor horário para busca e social media”. Depois vamos para a parte azul referente às métricas (metrics) e insira as seguintes métricas nesta ordem “Visits”, “%New Visits”, “Page/visit”, “Bouce Rate” e “Total Goal Starts”. (ver próxima imagem do Google Analytics)

Na parte de dimensão, “Dimension”, você irá inserir primeiro o Source (que será responsável por mostrar no relatório customizado no Google Analytics de qual mídia social veio o tráfego) e depois insira “Hour of the day” para saber, em cada mídia social específica, qual o horário com mais tráfego e conversão.

Melhor Horário - Mídia Social - Google Analytics

Melhor Horário – Mídia Social – Google Analytics

O próximo passo para finalizar é só clicar em “Save Report” e começar a explorar o relatório customizado “custom reporting” que fica no menu esquerdo do Google Analytics.

Pronto. Relatório já criado. Agora é a parte de aproveitar e surpreender seu chefe com o relatório. Para começar, você vai ver a lista com todas as mídias sociais, que selecionamos na hora de criar o segmento avançado lá no início do post, ordenadas pela quantidade de visita.

Custom Reportings - Mídia Social - Google Analytics

Custom Reportings – Mídia Social – Google Analytics

Mas, cadê as horas de cada mídia? Simples, clique em uma das redes no relatório personalizado no Google Analytics, como por exemplo, o Orkut ou o Twitter, e você verá as horas de acesso das pessoas que vieram do Orkut em ordem pela quantidade de visita, como segue abaixo.

Melhor Horário - Mídia Social - Twitter - Google Analytics

Melhor Horário – Mídia Social – Twitter – Google Analytics

Melhor Horário - Mídia Social - Orkut - Google Analytics

Melhor Horário – Mídia Social – Orkut – Google Analytics

E para finalizar, se você quiser saber no Google Analytics o horário com maior conversão, ou seja, o horário que gera a melhor qualidade de tráfego vindo das mídias sociais, só precisa clicar em “Total goal starts” que você terá no Google Analytics o horário que as pessoas mais converteram vindo de uma determinada mídia social (nesse caso, Orkut ou Twitter).

Melhor Horário - Mídia Social - Twitter - Metas - Google Analytics

Melhor Horário – Mídia Social – Twitter – Metas – Google Analytics

Melhor Horário - Mídia Social - Orkut - Metas - Google Analytics

Melhor Horário – Mídia Social – Orkut – Metas – Google Analytics

Esse relatório gerado no Google Analytics foi criado visando descobrir qual o melhor horário de atuação em cada mídia social e o horário que tenho um acesso de maior qualidade gerando maior conversão no site em questão.

Isso com certeza abre um grande leque de opções. Agora é só explorar o Google Analytics e suas possibilidades junto com as mídias sociais e o tráfego gerado.

 

Fonte:domicioneto

Read More

29 jul Coisas que aprendi sobre e-commerce

Gosto muito de palestras sobre e-commerce. Os palestrantes normalmente falam sobre coisas que parecem óbvias mas que na verdade quase ninguém aplica no dia-a-dia. Se você tem um cliente que tem um e-commerce ou se você tem um site com venda de produtos online siga estas dicas pois podem fazer seu negócio crescer.

Dicas para transformar sua loja em um ótimo negócio

Fique de olho nas estatísticas

Não veja as estatísticas somente de forma a ver a parte boa da coisa. Imaginemos que você tenha 30 vendas diárias, o que é um bom número. Agora, imagine que você fez uma campanha num site de renome com ótimas chances de ter clientes que se interessam pelos produtos que seu site vende. De repente suas vendas duplicaram. Isso é perfeito! Será mesmo?

Vamos analisar assim: você tinha uma média de visitação de 600 clientes únicos diários e tinha 30 vendas diárias. Isso nos dá um fator de conversão de 5%. Daí você fez uma campanha e você passou a ter 2000 visitas únicas. Lembre-se que suas vendas duplicaram. Isso nos dá um fator de conversão de 3%. Por mais que as vendas tenham aumentado, a sua loja está vendendo menos do que ela venderia sem a campanha e isso não é tão bom assim. Se você fez uma campanha, faça um diferencial para vender mais e não perder esses clientes novos.

Fique sempre de olho nas estatísticas, veja se uma semana vendeu mais que outra e verifique o porquê disso. Talvez seu site saiu do ar, talvez a campanha da semana passada era melhor que a de agora. Se uma campanha deu mais certo, tente fazer algo parecido.

Agarre seu cliente

Agora que você já está de olho nas estatísticas, imagine-se em uma loja física. Imagine um cliente entrar em sua loja, pegar um produto optar por cores, colocar alguns produtos na sacola e quando entra no caixa ele simplesmente vai embora de sua loja. O que você faria? Não, serio… o que você faria?

Bom, eu correria atrás do cliente, perguntando o que ele não gostou, se ele se interessaria se existisse outra forma de pagamento, perguntaria se eu poderia ligar assim que a loja tivesse algo que lhe agradasse. Sim, você provavelmente faria o mesmo.

Agora imagine o mesmo só que na escala que descrevemos anteriormente. Em um dia de trabalho você tem 570 de seus clientes que desistem de comprar por qualquer que seja o motivo. Agarre esses clientes com as unhas e dentes.

Capture e-mails

Ok, como correr atrás do cliente? Simples, peça para ele se cadastrar. Ah, mas nem todo cliente quer se cadastrar, preencher formulários sempre é uma chatise. Experimente integrar o cadastro do seu site com o facebook e voilà, você tem o e-mail dele. Ou então, conecte sua loja virtual ao twitter e mande informações para ele pelo próprio twitter, não precisa de e-mail pra isso, mande o link do e-mail marketing e uma mensagem com 100 caracteres (40 para o link + o arroba dele).

Experimente fazer o cadastro apenas com e-mail e senha, depois, quando ele for comprar, peça mais algumas informações como endereço. Veja alguns exemplos de como você pode conseguir o cadastro de seus usuários.

Cadastro simplificado: email e senha

Um cadastro simples: localização e e-mail logo quando o usuário entra no site

Faça uma promoção para o cliente se cadastrar

Remarketing! Faça agora!

Você sabe o que é o remarketing? É, de forma grosseira, fazer outra propaganda ao usuário depois que ele saiu de sua loja. Por exemplo, se um usuário colocou o seu e-mail na sua loja olhou alguns produtos, colocou no carrinho de compra mas não efetuou a compra, ao invés disso, ele saiu da sua loja. Mande um e-mail, com um desconto ou uma dica para que ele termine a sua compra. Deixe seu cartão de visitas com o cliente para que ele possa se lembrar de comprar num futuro próximo.

Outro bom exemplo é pegar aquele usuário que comprou uma máquina fotográfica. Ofereça a ele, duas semanas depois, uma capa para a câmera dele, ou um flash. Mantenha seu cliente fiel, cative-o. Dois meses depois, envie outro e-mail informando que ele pode, agora, comprar um flash com mais potência ou um tripé. Existem ótimos motivos para reenviar um e-mail para qualquer que seja a loja. Imaginemos um hortifruti. Mande receitas e venda os produtos da receita, simples assim.

Você pode fazer um remarketing oferecendo outra coisa para amenizar suas propagandas

Para ficar mais interessante, envie um link que já o redirecione para o carrinho de compras preenchido com os produtos!

Esteja preparado, mantenha sua loja viva!

Site de venda de camisas de futebol? Jogo no final de semana do Corinthans contra o Palmeiras? Você vende as duas camisas? Ôpa, independentemente do resultado do jogo, tenha em mãos um banner para colocar na home com camisas do Palmeiras e do Corinthians e é claro, do empate, afinal, isso pode acontecer, e bola pra frente. Para você ter uma idéia, neste momento você já deve pensar em banners e campanhas de email-marketing para o natal, se ainda não pensou você provavelmente já está atrasado.

Faça acontecer, não deixe para depois. Se o Flamengo for o campeão da copa do Brasil não coloque um banner, mude o tema de sua homepage – use um bom apelo visual, somente para que o público flamenguista vá até sua loja fazer compras, esteja preparado para colocar produtos desse time com descontos ao fazerem uma grande compra. Coloque um brinde, uma pelúcia quando o seu cliente compre uma camisa e mais uma bermuda.

Não seja pego de surpresa, mantenha sua loja viva, faça alterações nela a cada quinze minutos, deixe sua equipe de design e programação louca, “inventando uma moda” todos os dias. Acompanhe as palavras-chave que você colocou na sua campanha, se a campanha ainda não deu retorno para determinadas palavras-chave e outras palavras-chave estão convertendo mais, pare as que estão dando pouco lucro e invista nas que dão maior lucro.

Combine o mundo offline e online

Você é um revendedor de algo que passa na novela das oito? Ainda não tira proveito disso? Não vale somente contar a seus vizinhos… Se você ainda não lucrou bastante com isso, você provavelmente tem uma torneira aberta deixando dinheiro cair no ralo sem você perceber.

Assim que aparecer um produto seu na televisão faça uma campanha no twitter e facebook – que são campanhas relâmpago e você pode fazê-las sem riscos. Faça uma campanha para que as pessoas sigam sua empresa nas mídias sociais. As redes sociais podem fazer você vender mais do que parece. Fique de olho no que acontece em sua cidade, festa à fantasia evento de gala. Integre sua loja a realidade da maioria de seus clientes. O mesmo caso que explicamos anteriormente acontece para este tópico. Se você vende camisas de time de futebol,  acompanhe os jogos e faça promoções a cada gol do time que você vende produtos.

Uma dica simples que algumas pessoas esquecem de fazer, coloque a droga do site no seu cartão de visitas! Parece o cúmulo, mas existem pessoas que passam um cartão e dizem… “eu tenho um site, mas ainda não coloquei no meu cartão”.

Cuide bem do que é seu!

Só porque você está com um sistema online não significa que você não deve dar valor aos seus clientes da mesma forma que você daria aos clientes de uma loja física. Seja meticuloso com números, experimente as melhores ofertas, tente convencer com banners diferenciados. Mantenha sempre sua loja em “movimento”, atualizando não todos os dias mas a toda hora. Faça promoções relâmpago.

Em suma, não deixe sua loja monotona para o usuário. Sempre invente algo novo e faça seu usuário levar o produto. Fique de olho em uma campanha de publicidade, se ela parou de vender troque-a. Faça uma análise das campanhas a cada duas horas, analise. Cada centavo gasto em campanhas é o centavo do seu bolso e de mais ninguém.

 

Fonte:Imasters

Read More

26 jul Google lança AdWords Express para pequenos anunciantes

Publicidade online em menos de cinco minutos

O Google lançou oficialmente nesta segunda-feira, 25, o AdWords Express, “uma maneira mais rápida e mais simples para começar a publicidade online em menos de cinco minutos”.

A ferramenta foi projetada para ajudar as empresas locais e pequenos anunciantes, para que atinjam o público com mais facilidade.

Veja o vídeo:

Read More

26 jul IAB Brasil apresenta novo número de share para mercado digital

Estudo realizado entre associados da entidade projeta investimento de R$ 3,04 bilhões de faturamento em 2011.

 

|download da apresentação|


São Paulo, 26 de julho de 2011 Em coletiva realizada hoje, o Interactive Advertising Bureau (IAB Brasil), entidade que representa 132 associados e 90% do faturamento de mídia digital do pais, mostrou que no mercado necessitava de dados para mostrar a realidade da mídia digital no Brasil.

Marcos Swaroswky, VP de Veículos do IAB Brasil, apresentou a evolução dos dados do mercado publicitário brasileiro e da mídia digital, da qual, ainda faltava adicionar o valor de search. Esse valor será em 2011 R$ 3,04 bilhões de investimento em mídias digitais, isso representará 10% do bolo publicitário brasileiro.

De acordo com Fabio Coelho, Presidente do IAB Brasil, a entidade necessitava apresentar um panorama mais completo do mercado digital brasileiro, incluindo segmentos que ainda não são tabulados pelos institutos de pesquisa. “Para que os anunciantes e governo entendam a importância do investimento em mídia online precisamos apresentar dados mais condizentes com a realidade do segmento, caso contrário, continuaremos com pouca representatividade no bolo publicitário”, completa.

Na ocasião, estavam presentes executivos da diretoria da entidade e representantes dos sócio-plenos. A diretoria do IAB estava representanda por Coelho, Marcos Swaroswsky (VP de Veículos), Marcelo Prais (VP de Agências) e Ari Meneghini (Dir. Executivo)

 

Sobre o IAB Brasil

 

Fundada em 1998, com a missão principal de desenvolver o mercado de mídia interativa no Brasil, a partir de 2005, a Associação de Mídia Interativa (AMI) passou a fazer parte da mais importante rede de associações do mundo – o Interactive Advertising Bureau -, mudando sua denominação para IAB Brasil. Desde então, a associação integra uma rede internacional de associações, que conta com representações em mais de 47 países, entre eles EUA, Austrália, Cingapura, Espanha, França, Inglaterra, Itália, Chile e México. O IAB Brasil conta atualmente com cerca de cem filiados, entre sites e portais, empresas de tecnologia, agências e desenvolvedoras Web, líderes em seu segmento no país.

O IAB Brasil tem como missão incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos para ações de comunicação e marketing através da criação de normas e padrões para o planejamento, criação, compra, venda, veiculação e mensuração de mensagens comerciais; do intercâmbio de experiências e conhecimentos técnicos de seus associados; de pesquisas e estudos que comprovem a eficiência da mídia interativa e identificar oportunidades de posicionamento da mídia interativa através de linguagem publicitária para atrair o interesse de anunciantes e profissionais da mídia tradicional.

 

Fonte:iabbrasil

Read More

26 jul Uso de redes sociais também aumenta a produtividade

Mas, da mesma forma que possibilitam benefícios, também têm armadilhas. O melhor a se fazer é focar na eficácia do profissional, e não desperdiçar tempo e a energia com uma repressão moral.

 

A resposta do mundo empresarial para o crescimento expressivo das mídias sociais tem variado do entusiasmo à adesão e até à rejeição. O que uma empresa pode considerar como ferramenta fantástica para a construção e o desenvolvimento dos negócios, para outra pode ver como armadilha.

As duas visões estão corretas, dependendo de como as ferramentas de mídia social são usadas pelos funcionários.

Abaixo veja como a mídia social pode ajudar os funcionários a tornarem-se mais produtivos e ainda outra formas que podem representar um risco.

1. Os funcionários podem encontrar a informação que precisam mais rapidamente
A internet fez com que as informações ficassem disponíveis para as pessoas. Há um enorme valor nisso. No entanto, há uma desvantagem: a web pode tornar extremamente difícil encontrar soluções para problemas de forma rápida e fácil, mesmo quando um usuário faz uma busca específica.

Afinal, quando você  busca algo no Google, não encontra apenas uma resposta, são páginas e mais páginas com resultados de pesquisa. E eles não estão necessariamente em ordem de valor. Isso, muitas vezes, deixa os usuários consumir horas tentando localizar a resposta adequada, já que alguns retornos das buscas fornecem informações contraditórias e até mesmo imprecisas.

Mas quando os usuários se voltam para as redes sociais para localizar informações, o retorno é geralmente traduzido em respostas rápidas, úteis e precisas.

Quer um breve exemplo que muitos de vocês já devem ter passado? Cerca de três anos atrás, eu estava tentando descobrir como obter uma palavra-chave baseada em fluxo de Twitter em uma página web. Essa ação é muito comum hoje em dia, mas naquela época nem tanto.

Tentei encontrar uma solução por meio do Google, mas os resultados da pesquisa não foram úteis. Então, eu postei uma pergunta para os meus seguidores no Twitter. Em cinco minutos obtive três respostas específicas, que incluíam até links. Duas delas, recomendando o mesmo aplicativo. Pronto, problema resolvido.

Profissionais de todo o mundo tiveram experiências semelhantes, recebendo informações por meio do Twitter, Facebook, LinkedIn, Quora e outras plataformas de redes sociais.

2. Mídia social = impulsionador de networking
Networking geralmente é visto como forma de progressão na carreira, e não há dúvida de que é. Mas o networking também pode ajudá-lo a fazer do seu trabalho melhor. Como?

Participar da rede social correta de networking pode levar ao estabelecimento de contratos para os negócios, aconselhamento profissional e conhecimento das oportunidades educacionais (webinars etc) que podem melhorar o desempenho do profissional.

Além disso, uma boa rede de mídia social para estabelecer networking é um oásis de talentos profissionais. A próxima pessoa que você segue, por exemplo, pode tornar-se um amigo ou um futuro colaborador da empresa em que você trabalha.

3. Alívio do estresse
A mídia social pode ser amplamente utilizada no local de trabalho, mas quando usada com moderação, oferece uma pausa bem-vinda ao stress diário do trabalho.

Quer seja para conferir um vídeo engraçado recomendado por um amigo do Facebook ou ler um blog interessante postado por um dos seus seguidores, a social media oferece uma fuga breve que pode repor a energia dos funcionários e dar a sua mente um descanso antes de retomar o trabalho.

Um estudo publicado há dois anos por cientistas australianos da Universidade de Melbourne concluiu que trabalhadores que acessam sites de mídia social, blogs e YouTube durante o expediente registram 9% no aumento da produtividade.

4. Ajuda a fortalecer o trabalho em equipe
Essa afirmação é especialmente verdadeira para as empresas em que os funcionários trabalham em diferentes locais. Redes sociais privadas como Yammer e Wikis podem possibilitar que grupos focados em projetos mantenham a equipe atualizada de forma mais eficiente sobre o avanço do trabalho do que um e-mail ou pelo telefone.

Ver um projeto crescer pouco a pouco por meio de uma rede social interna  pode alimentar o entusiasmo, o empenho e um senso coletivo de propósito e realização.

O lado ruim
Há, no entanto, o outro lado da moeda da mídia social, que muitos dos especialistas não gostam de abordar. A mídia social pode ser – na verdade, tem provado ser, em muitos casos – um dreno de produtividade.

Estudo realizado pelo instituto de pesquisas uSamp a pedido da harmon.ie., provedora de software para redes sociais, conclui que a “proliferação de ferramentas de colaboração e mídia social está custando às empresas milhões de dólares por ano em perda de produtividade.”

A pesquisa indica três causas principais. São elas:

1. Interrupção do trabalho
Mídia social é uma fonte de interrupções constante. O levantamento, realizado com 515 usuários de e-mail que trabalham em diferentes empresas dos Estados Unidos, revela que “cerca de 60% das interrupções de trabalho envolvem o uso de ferramentas como e-mail, redes sociais, mensagens de texto e mensagens instantâneas”, diz.

Na verdade, prossegue o estudo, 45% dos funcionários trabalham apenas 15 minutos ou menos sem serem interrompidos, e 53% dos colaboradores perdem uma hora por dia devido aos tipos diversos de distrações.

2. Tentador dos fracos
Ter o seu foco interrompido é ruim. Mas alguns funcionários que optam por parar o trabalho para mergulhar em suas redes sociais é pior ainda.

Segundo a pesquisa da uSamp, dois em cada três entrevistados disseram que “interrompem uma reunião para se comunicar com outra pessoa digitalmente, respondem e-mail (48%), ligações no telefone celular (35%), conversam via IM (28%), atualizam seu status em uma rede social (12%) ou tweetam (9%).”

Durante uma reunião interna, esses números, sem dúvida, aumentam quando os empregados esperam pelos demais participantes. Por que você acha que há fazendas muito bem cuidadas em FarmVille?

3. Pensamento que flui
Constantes interrupções não apenas reduzem o tempo dos funcionários no ambiente de trabalho, como também têm impacto negativo sobre a qualidade dos pensamentos do profissional.

Como qualquer pessoa com filhos pequenos sabe, você simplesmente não pode se concentrar, se estiver o tempo todo desviando a atenção, voluntariamente ou não. Pensamento profundo exige concentração sustentada. E “agora onde eu estava?” não se qualifica como um pensamento profundo.

Veja a situação da seguinte forma: se o Facebook ou o Twitter existissem há um século, a famosa equação de Albert Einstein mostrando equivalência massa-energia poderia ter sido algo como: E = 🙂

Não há dúvidas de que ferramentas de comunicação social chegaram ao mundo corporativo para ficar. As empresas que bloqueiam o acesso a redes sociais e a sites não comerciais (quase metade limita o acesso, segundo a pesquisa) correm o risco de alienar os funcionários e perder muitas vantagens criadas pela revolução social. Provavelmente, o melhor a se fazer é focar na eficácia do profissional, e não desperdiçar tempo e a energia com uma repressão moral.

Fonte:CIO

Read More

19 jul Como montar uma estratégia de vendas nas redes sociais?

Facebook, Twitter ou Foursquare: descubra aqui qual a melhor alternativa para aproximar a sua empresa dos consumidores

Com a popularização da internet no começo da década de 2000, parecia que a última fronteira para qualquer empresa seria a criação de uma loja on-line e o início de uma estratégia de e-commerce. Só que outro fenômeno surgiu e conquistou a atenção dos usuários: as mídias sociais. Ficou provado que, mais que um instrumento, a internet é uma comunidade. E que, para conquistá-la, é preciso usar as ferramentas certas. “O conceito de mídias sociais precede a própria internet”, diz Ludovino Lopes, vice-presidente da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net). “Mas a web amplificou o seu significado, trazendo a possibilidade de interação e colaboração.”

Hoje, não basta apenas vender, é preciso vender socialmente, praticando o que ficou conhecido como social commerce. “Esse comércio é feito de usuário para usuário”, diz Thiago Nascimento, fundador do Bloompa, plataforma social de compras. “A venda é resultado dessa interação: a empresa entra apenas como estímulo.” Mídias como o Facebook e o Twitter funcionam não só para aumentar as vendas, mas também para cativar e fidelizar clientes. Segundo Lopes, o boom das redes levou muitos negócios a usarem esses canais de forma pragmática e fria, visando somente o incremento da receita. “É preciso ultrapassar essa primeira fase, agregar valor, passar um conteúdo de relevância. Essa é a mágica da mídia social. O discurso só de venda provoca uma resposta morna”, afirma.

Seja qual for o uso das redes, a verdade é que a relação mais humanizada com os usuários pode, sim, converter-se em retorno financeiro. Na opinião de Danilo Alvarenga, diretor técnico da empresa americana de soluções em e-commerce 3dcart, o uso sistemático do Twitter e do Facebook pode levar a um crescimento de até 34% no tráfego do site de vendas da empresa.

Mas não se engane com os números animadores: antes de colocar seu empreendimento nas mídias sociais, dedique algum tempo ao planejamento e à organização do conteúdo. “Quando se publica qualquer coisa nas redes sociais, a primeira impressão é a que fica. Então tenha certeza de que a casa está arrumada antes de abrir as portas”, afirma Alvarenga. Ou seja, pesquise quais mídias funcionam para seu negócio, conheça o público que você quer atingir e defina como vai interagir com ele. A seguir, boas ações de social commerce que podem ser postas em prática para aumentar as vendas.

APOSTE NO VISUAL

YOUTUBE

Ter um perfil na rede de compartilhamento de vídeos pode ser útil se a empresa tiver capital para investir nesse tipo de produção. “Os vídeos têm grande impacto sobre os usuários e podem se tornar virais facilmente”, afirma Ludovino Lopes, vice-presidente da camara-e.net. Faz parte da estratégia deixar na descrição do vídeo um link que direcione o usuário ao produto anunciado, para estimular a finalização da compra. Os posts no Youtube também servem como apresentação para o consumidor conhecer o dia a dia da empresa, humanizando mais a relação entre os dois.

FLICKR

Essa rede de compartilhamento de fotos pode ser útil para provocar o interesse dos consumidores: o método mais utilizado é postar imagens de novos produtos. Propagada pelo Twitter, a estratégia de “teaser” pode alimentar a vontade de comprar até que o lançamento seja feito. Como o Youtube, também pode ser utilizado para mostrar a rotina da empresa, aproximando o consumidor.

 

Fonte:PEGN

Read More