19 out YouTube introduz recursos para E-Commerce

A principal plataforma de vídeos online do mundo informou nesta segunda-feira que introduziu novos recursos que permitem aos comerciantes parceiros vender ingressos para eventos, bens físicos e digitais através de seu canal de vídeo.

“Estamos lançando um recurso chamado “Merch Store” que permite aos parceiros do YouTube oferecer mercadorias aos fãs diretamente em seu canal” diz Christian Weitenberner, um executivo do Google através de um post no blog do YouTube.

Weitenberner ainda acrescenta que o lançamento destes recursos são resultados de uma parceria com grandes empresas globais, como Topspin, Songkick, iTunes e Amazon. “Vamos lançar a Merch Store para os parceiros nas próximas semanas a nível mundial”.

No balanço trimestral divulgado pelo Google na semana passada, foi dito que o YouTube concentra aproximadamente 800 milhões de usuários mensalmente. No início de 2011, a empresa comunicou que o site de compartilhamento de vídeos havia registrado em média três bilhões de visualizações de vídeos por dia.

No entanto, representantes do YouTube se recusaram a fornecer qualquer informação a respeito de como as receitas serão compartilhadas, mas confirmou que vai ficar com uma porcentagem para cobrir os custos

Desde a aquisição do YouTube, há cinco anos, o Google tem lutado para transformar a popularidade do serviço em rentabilidade. Em julho deste ano, CEO do Google, Larry Page, disse durante a apresentação dos resultados do segundo trimestre que o YouTube ainda necessita de mais investimentos antes de se tornar rentável.

No mês anterior, o Google introduziu recursos de edição de vídeo que permitem os usuários personalizar vídeos no YouTube. No início deste ano, um serviço de filmes on-demand também foi lançado pelo Google através de parcerias com a Time Warner, Comcast, Sony e Lions Gate.

Fonte:ecommercenews

Read More

18 out Guia completo sobre as novas métricas do Facebook

Recentemente, começou a aparecer no Insights das fanpages do Facebook a nova métrica “estão falando sobre isso”. Porém as mudanças foram muito mais além dessa simples métrica e, além disso, outras novas também estão surgindo. Quem trabalha com Facebook já deve ter reparado, mas quem não reparou e quer aprender mais sobre elas é só ler este post até o final, pois explicarei cada uma delas.
As mudanças têm como objetivo oferecer aos proprietários e administradores de páginas o maior número de informações possível sobre os seus fãs, com o objetivo de otimizar suas páginas para mantê-los lá por mais tempo, fazendo com que você possa repetir o que já fez e deu certo. Os proprietários da página serão capazes de acessar um preview do novo Insights, mudando a língua do seu Facebook para English (US), navegando para o seu Insights (ver dados) e optando por testar o novo produto, antes mesmo que seja implementado efetivamente.

 

O Facebook Insights sempre foi um bom produto, principalmente se considerarmos que é gratuito e disponível para qualquer proprietário de uma página, não importando o tamanho. Mas, o que eles estão implementando que deixarão as métricas ainda melhores? E, mais importante, o que as mudanças significam para você? Confiram:
Amigos dos fãs
Se você já executa publicidade no Facebook estará familiarizado com esta opção de amigos de fãs, pois pode direcionar seus anúncios apenas para estes. Basicamente isso significa que seu anúncio só será mostrado para alguém que tem um amigo que é fã da sua marca. Agora, através da nova página de Insights, você pode ver o alcance total de amigos dos fãs. É muito importante ficar de olho nesse número, pois você terá uma noção do número de pessoas que serão impactadas quando alguém interage com algum conteúdo da sua página. Dá uma maior noção de qual é sua verdadeira audiência, ou seja, aqueles que podem não ser fãs da sua página (já que esse número exclui os fãs atuais), mas que podem ter sido expostos à sua mensagem.
Estão falando sobre isso
Esta é a ferramenta mais sensacional que o Facebook introduziu. Ela dá um valor do número de vezes que geraram mensagens sobre sua página, incluindo links em perfis pessoais ou mensagens que você tenha sido marcado no período de tempo que você selecionar.
Alcance total da semana
Quando você vai até um post em sua página do Facebook pode ver o número de impressões que ele teve, mas antes não era capaz de ver este número acumulado. Agora, o Facebook introduziu um recurso que vai te dizer o alcance total dos posts na semana, que é o número de vezes que alguém foi exposto à sua página, seja através de um post, um amigo comentando ou através de um anúncio. Você será capaz de ver a variação percentual ao longo do tempo. Se você observar que o seu número de fãs está subindo, porém o seu alcance está diminuindo, pode ser necessário pensar em criar conteúdos mais atraentes e relevantes, começando a atingir mais pessoas de modo mais natural.

 

O quão viral é um post?
O Facebook classifica as suas mensagens de acordo com o engajamento, assim como já fazia anteriormente. Mas, este foi melhorado para mostrar um número de métricas diferentes, que abrangem:
  • Alcance: o número total de pessoas que viram seu post;
  • Usuários engajados: pessoas que interagiram com o post de alguma forma, como clicando nele através do seu mural ou deixando um comentário;
  • Falando sobre isso: o número de pessoas que criaram uma história sobre seu post, como deixando uma resposta ou compartilhando com os amigos;
  • Viralidade: é representada como uma porcentagem de pessoas que criaram uma história sobre o seu post contra o seu alcance total.

 

Ver suas mensagens desta forma permite ver o conteúdo que funcionou e o que não funcionou. Desse modo, poderá determinar qual tipo de conteúdo trabalhará em sua página.
Você também pode expandir uma coluna em particular para obter dados mais aprofundados. Por exemplo, clicando em alcance você poderá ver um gráfico que aponta se esse alcance veio diretamente das atividades da sua página, de anúncios no Facebook ou se era viral (fãs gerando discussões).
Clicando em usuários engajados você verá:
  • Outros cliques: cliques em outras partes do post, como cliques no nome da pessoa que fez um comentário;
  • Cliques no link, Play em Vídeos e Vizualizações de fotos: o número de cliques em um link, vídeo ou foto em seu post;
  • Discussões geradas: o número de discussões geradas a partir do seu post pelos fãs. Estão inclusas as linkagens, comentários e compartilhamento dos seus posts, respostas à uma enquete e um evento.
Clicando em Falando sobre isso você poderá ver quais dessas discussões geradas foram de pessoas curtindo ou compartilhando a sua mensagem.
Origens do curtir
O Facebook já possuía este recurso, mas agora ele está mais avançado. Este número não era tão específico com as origens das curtidas dentro do Facebook, que eram simplesmente expressas como desconhecido.
Agora, esse recurso foi melhorado de um modo que podemos ter uma visão muito mais precisa de como as pessoas estão encontrando a página, como eles estão te curtindo. Importante: essa divisão só acontece para as diferentes funcionalidades dentro do Facebook. Assim você pode ver, por exemplo, quantos curtir você está recebendo como resultado de uma outra página ao postar um link para sua página.
Alcance demográfico
Enquanto o Facebook continua dando acesso aos dados demográficos de seus fãs (figura acima), agora eles estão oferecendo a capacidade de ver os dados demográficos de seus fãs mais ativos. Ele mostra as informações sobre idade, sexo e localização de qualquer usuário que tenha sido exposto ao seu conteúdo, seja ele um fã de sua página ou não. Isso dá uma indicação mais precisa de quem está realmente interagindo com o seu conteúdo. Você pode perceber que os dados demográficos do seu alcance são diferentes dos dados demográficos de seus fãs, assim precisará ajustar o seu conteúdo para melhor atender aos fãs engajados.
Como as pessoas chegam até sua página
Este gráfico permite desenhar diferentes tipos de visitas à sua página com base em como as pessoas chegaram até ela. Se você perceber, por exemplo, que a maioria das pessoas estão encontrando sua página através de anúncios, então você precisa para melhorar o conteúdo e o alcance orgânicos que tem.
Você também será capaz de ver o número de usuários únicos por frequência. Esta métrica mostra a média de vezes que algum usuário interagiu com seu conteúdo. Assim, você poderá ver, por exemplo, quantas pessoas viram algum conteúdo da sua página versus a frequência em que ela visualizou aquele conteúdo.
Falando sobre isso
Dentro dessa nova métrica, você também é capaz de ver dados demográficos das pessoas que estão falando sobre sua página por idade, gênero e localização. Dentro desta seção, você pode comparar seu alcance viral (o número de pessoas que viram a sua página), em comparação com falando sobre isso (o número de pessoas ativas que criaram uma discussão). Como o alcance só leva em conta as pessoas que foram expostas ao seu conteúdo, esse número será sempre muito maior do que as pessoas falando sobre isso. Aqui você pode escolher qual discussão que deseja comparar, como, por exemplo, o número de vezes que alguém marcou você em um post ou foto.
A nova página de dados está disponível para todas as páginas nos Estados Unidos, com a opção de experimentá-la antes de ser lançada como a ferramenta padrão da sua página. Se você quiser testá-la terá que mudar a língua do seu Facebook para inglês. O que vocês acharam dessas mudanças? Gostaram?




Read More

14 out Rastreando KPIs das mídias sociais

As mídias sociais recebem uma quantidade massiva de atenção na web e também atraem um grande interesse dos vendedores. A maior reclamação daqueles que investem parece ser consistente: é difícil medir o impacto no final das contas. Esse ponto, eu devo reconhecer – enquanto o social é uma área nova e excitante para os vendedores online, seu valor muitas vezes pode não ser proporcional ao esforço necessário e, mesmo quando é, é difícil provar esse ponto para clientes ou executivos que pedem por justificativas.

Este artigo está aqui para ajudar. Tentarei olhar rapidamente para os tópicos que envolvem esse problema e oferecer algumas soluções, ferramentas e metodologias para facilitar esse processo.

Por que + onde as mídias sociais importam

As mídias sociais têm um problema analítico. Enquanto que muitas outras fontes – anúncios, busca orgânica, referências, bookmarks – geram tráfego que converte diretamente (p.e. resultados em uma compra/ação de cadastro), o tráfego social é muito temporário. Visitantes do Twitter, do Facebook, do LinkedIn, do Google+, do StumbleUpon etc são conhecidos por visitar a página e sair rapidamente. Isso deixa os comerciantes com dificuldade para compreender o valor desses canais. Altas taxas de rejeição, baixas taxas de navegação e péssimas taxas de conversão fazem da mídia social a ovelha negra das referências de fontes de tráfego.

Tentarei explicar o problema e o motivo pelo qual a mídia social ainda é importante, apesar dessas métricas ruins, de uma maneira visual:

Na web, os visitantes raramente são compradores (ou “atores de conversão” de alguma maneira) em uma primeira visita. A web é uma ferramenta para descoberta, pesquisa e investigação, e as pessoas a utilizam para esse fim. Elas navegam por aí, encontram coisas que são interessantes, encontram necessidades e desejos potenciais, examinam as opções a fundo, e eventualmente tomam uma decisão de compra.

Em sua maior parte, a web é menos como um corredor de check-out em um supermercado (cheio de gostosuras tentadoras e nem tão tentadoras revistas, pelo menos na minha opinião), e mais como a compra de um grill, de uma TV ou de um carro. A mídia social não é o que vai fechar o negocio – é o canal que cria o potencial para uma conversão futura. A mídia social é capaz de criar familiaridade com a marca e de atrair os visitantes a conteúdos que os instiguem, mas ela raramente responde diretamente a uma necessidade claramente expressa.

Vamos dar uma olhada em um típico ciclo de compra de alguém que inicia um teste gratuito no software do SEOmoz e ver onde a mídia social entra nesse processo:

O Twitter e o Facebook entram cedo no processo, provavelmente antes da percepção da necessidade pelo consumidor, ou do seu conhecimento do produto. Os canais sociais provavelmente serão parcialmente responsáveis pelos milhares de free trials no SEOmoz, mas devido às ferramentas disponíveis atualmente, seria muito difícil para nós descobrir de fato quanto de participação e de presença a mídia social trouxe para a empresa.

Outra boa ilustração desse fenômeno vem através da Grade de Conteúdo do Eloqua, que explora os tipos de conteúdo compartilhados em vários canais (incluindo a mídia social) e seu impacto no processo de compra:

A mídia social faz muitas coisas boas para os negócios e as marcas na web:

  • Gera tráfego
  • Cria familiaridade com a marca
  • Cria associações positivas com a marca
  • Entrega prova social através das pessoas compartilhando o conteúdo e discutindo a marca
  • Atrai seguidores da marca e evangelistas que podem ajudar a espalhar a notícia

O Atlantic lançou um artigo recentemente falando por que a boa publicidade funciona, e muitos dos mesmos princípios se aplicam à mídia social, mas são, em minha opinião, ainda mais poderosos porque não são baseados em interrupções, mas sim intrínsecos e orgânicos. Se 10 das pessoas que eu sigo no Twitter ou no Google+ começarem a compartilhar os links do website de uma nova startup, ficarei muito mais engajado, impressionado e seduzido do que se essa mesma startup colocasse banners em alguns dos websites que visito. Ambos criam reconhecimento de marca, mas o social é mais pessoal, mais confiável e mais provável de capturar meu clique.

Sabemos que o social é uma fonte de tráfego mais leve e mais difícil de medir o trafego, mas somos marketeiros por natureza, e isso significa que não conseguimos viver sem dados 🙂 Então, vamos explorar algumas das maneiras possíveis de monitorar esse canal.

Qual mídia social rastrear

 No mundo analítico da mídia social, existem muitas métricas-chave que estamos interessados em rastrear:

  • Dados de tráfego – quantas visitas e visitantes o social gerou para nossos sites?
  • Dados de fãs/seguidores – quantas pessoas estão nas nossas várias redes e como elas estão crescendo?
  • Dados de interação social – como as pessoas estão interagindo, compartilhando e recompartilhando nosso conteúdo nas redes sociais?
  • Desempenho do conteúdo social – como o conteúdo que estamos produzindo nos sites sociais está se desempenhando?

Obter as métricas corretas para responder a essas perguntas requer segmentação da rede. Nem toda pergunta terá respostas diretas nos dados, então talvez teremos que fazer algumas suposições ou inferências.


Facebook

O Facebook oferece uma relativa riqueza de todos os dados que nos interessam através de seu produto para páginas corporativas, o Facebook Insights:

Aqui, você consegue rastrear as métricas-chave com o tempo, incluindo o tamanho da sua base de fãs, o alcance e a efetividade do seu conteúdo, a quantidade de likes e shares do seu conteúdo, os dados demográficos dos seus fãs e mais.

O Insights também tem um recurso único e poderoso – a integração no seu website. Usando um pequeno código Javascript, você é capaz de inserir a funcionalidade do Facebook Insights no seu site e receber informações sobre todos os usuários que visitam suas páginas e que estão logados no Facebook. Como isso foi bastante discutido no SEOmoz (e em toda a web), não irei me estender muito no Insights, além de dizer que é, de longe, a ferramenta analítica própria para a plataforma social mais robusta que existe.

 

Twitter

O Twitter e o Facebook provavelmente são as duas maiores redes sociais que entregam tráfego para a maioria dos sites (StumbleUpon supostamente envia mais tráfego de saída, mas é mais um mecanismo de descoberta/navegação do que uma rede social verdadeira), mas enquanto o Facebook tem um analytics mais sofisticado construído em sua plataforma, o Twitter não tem. Isso significa que rastrear as métricas de crescimento com o tempo requer ferramentas terceirizadas (ou muitas vezes a coleta de dados manual), sobre o que eu irei falar abaixo.

Na minha opinião, as principais métricas no Twitter são:

  • Seguidores (e crescimento de seguidores com o tempo) – o número único de usuários do Twitter que “seguiram” minha conta.
  • Seguidores ativos – o número de seguidores que fizeram login ou utilizaram um recurso do Twitter nos últimos 30 dias (aqueles que não o fizeram provavelmente são contas não-humanas ou inativas). Isso é desafiador para descobrir, e é necessário um software que vasculhe todos seus usuários e determine quais deles estão usando ativamente através da API. Algumas ferramentas terceirizadas discutidas abaixo irão mostrar essa informação.
  • @Replies – o número de tweets enviados que começa com o nome da minha conta.


  • @Menções – um tweet que inlui o nome da minha conta, mas o utiliza dentro do tweet, em vez de no começo dele, o que significa que outros usuários no Twitter conseguem ver o tweet por padrão, ao invés de somente aqueles que seguem ambas as contas.

  • Menções de marca – tweets que contêm marca/nome da conta, mas não usam o símbolo @.

  • Domínio/menções de URL – tweets que incluem um link que contém o nome da minha marca/domínio. Eles agora incluem, por padrão, qualquer URL reduzida que contenha o nome da marca/domínio, uma vez que o Twitter está analisando automaticamente a URL final de destino para correspondência da consulta.

  • Retweets diretos – a quantidade de retweets (usando o botão/funcionalidade nativa do Twitter) mostrada no serviço.

  • RTs – a quantidade de tweets que continha um RT da minha conta. Eles são parecidos com retweets diretos, mas não são necessariamente contados pelo sistema automático de RT do Twitter, porque eles contêm uma modificação da mensagem original e parecem vir de uma fonte única.

  • Melhor conteúdo de desempenho – o conteúdo que compartilhei no Twitter que obteve mais cliques, retweets e compartilhamentos. Isso não está atualmente disponível diretamente através do Twitter, mas algumas ferramentas terceirizadas o exibem.
  • Tráfego direto + não direcionados pelo Twitter.com – fontes que enviam tráfego para o meu site através do ecossistema do Twitter, mesmo se eles vierem através de clientes desktop ou de fontes de softwares terceirizados. Graças a uma mudança recente feita pelo Twitter, elas agora irão aparecer (em sua maioria) como vindas do  T.co (encurtador do Twitter).

Além dessas métricas-padrão, eu adoraria ver o impacto das minhas interações no Twitter em termos de número de seguidores e engajamento. Por exemplo, se minha conta envia um tweet que me garante 100 novos seguidores, seria incrível ver esse crescimento, mas atualmente isso não é possível (que eu saiba).

Todas essas métricas mostram o crescimento, o alcance e o impacto no nível do tráfego na minha atividade do Twitter, mas nenhuma delas me ajuda no rastreamento do ciclo de vida mostrado acima. Em um mundo ideal, eu gostaria de ver o impacto final das minhas interações no Twitter, mas isso é muito desafiador para conseguir. Por sorte, o evangelista do Google Analytics, Avinash Kaushik, escreveu um ótimo post sobre rastramento do Twitter aqui, que pode servir como referência futura.

Muitas vezes é mencionado que, no analytics, nada vale a pena rastrear, a não ser que possa ser usado para uma ação que gere melhorias. Para as métricas acima, a primeira ação que você está rastreando é a sua própria, e a chave para executar ações melhores é comparar interações, tweets e conteúdos de sucesso contra aqueles que não foram tão bem sucedidos assim, para determinar qual tem o melhor impacto no crescimento da sua audiência, na introdução de novas visitas para o seu site e, eventualmente, na geração de ações de conversão.

LinkedIn

As funções do LinkedIn são como uma mistura do Twitter e do Facebook. As conexões pedem a aceitação de ambas as partes, mas entidades públicas (como páginas de empresas) e grupos podem ser seguidos. O  LinkedIn tende a ser uma ótima rede social para aqueles que estão recrutando talentos ou envolvidos em vendas B2B e em marketing. Muitas vezes, é menos efetivo como um canal puramente consumidor/B2B.

Como o Facebook, o LinkedIn tem algumas análises próprias para negócios, uma para perfis individuais, e muitos pontos de dados que são úteis de rastrear, incluindo:

  • Visualizações de páginas da empresa + únicos – eles rastreiam o número de vezes que o perfil da sua empresa no LinkedIn foi visualizado com o tempo e a quantidade de visitantes únicos à página.

  • Quantidade de seguidores – como no Twitter, as pessoas podem “seguir” a conta de uma marca no LinkedIn e receber atualizações do status. Quanto mais seguidores você tiver, maior sua habilidade de alcançar mais pessoas no LinkedIn com o conteúdo que você compartilha ali.

  • Conexões – A quantidade de conexões únicas para um perfil individual no LinkedIn é uma métrica que vale a pena rastrear, mas, infelizmente, eu não consegui encontrar uma funcionalidade própria para gerar gráficos dos dados, apenas os dados crus, a conta atual (na página Network Statistics) e alguns dados sobre o alcance geográfico e industrial dessas conexões.

  • Mensagens e convites – o número de convites e mensagens em sua conta (eu de fato preciso de uma hora livre para dar uma olhada nos meus). Isso também não tem qualquer capacidade de representação gráfica ou de análise temporal.

  • Visualizações de perfil – quantas pessoas visualizaram seu perfil até hoje e alguns dados sobre quem eles são (se é sua “primeira” conexão, o Linkedin irá mostrar o seu nome; se não, ele mostrará sua empresa ou indústria).
  • Principais palavras-chave – uma lista das principais palavras-chave que os usuários utilizaram no Linkedin para descobrir o seu perfil.
  • Compartilhamento de conteúdo – tragicamente, não consegui encontrar uma maneira de medir ou gravar a quantidade de atualizações de status/compartilhamentos que você já mandou pelo Linkedin nem o número de “likes” que você recebeu no serviço… Espero que eles adicionem isso logo.
  • Tráfego – O LinkedIn não é um grande gerador de tréfego no geral, mas, para certos sites B2B, ele pode ser relativamente substancial, e a qualidade geralmente é maior do que outras fontes sociais. Aqui está um screenshot do Google Analytics do SEOMoz.

Em agosto, o LinkedIn foi o nosso quarto maior site de referência (os sites de referência do seomoz.org e do pro.seomoz.org tecnicamente são referências internas); nada mal!

Algumas ferramentas terceirizadas existem para ajudar com medição do Linkedin, mas, com o tempo, espero ver mais ferramentas no campo analítico das mídias sociais encontrarem sucesso com o Twitter e o Facebook e expandirem para o LinkedIn e além.

Google+

A nova rede social do Google ainda é relativamente jovem, mas dado o intuito do Google de torná-la parte dos sinais que influenciam o ranking de buscas web e considerando o crescimento dramático (para 25 milhões+ de membros) nos primeiros dois meses depois do lançamento, ela já merece a atenção dos vendedores.

Infelizmente, a rede ainda não tem qualquer sofisticação acerca do rastreamento de métricas, e muito poucos aplicativos terceirizados têm o Google+ integrado (uma API e a funcionalidade oAuth ainda não existem de maneira robusta). Apesar disso, existem muitas métricas que valem a pena ser rastreadas, mas é insanamente frustrante, porque até as contas cruas estão indisponíveis para muitas delas. Esperançosamente, o Google irá adicionar algumas logo (oras, se você trabalhar no time do Google+ e está fazendo análises para usuários/marcas, por favor, considere isso!):

  • Número de seguidores – Isso, pelo menos, é possível. Tecnicamente, no Google+, eles não são chamados “seguidores”, e utilizam uma nomenclatura um pouco estranha, “tem você em algum círculo” (você pode ver isso no seu perfil).

  • +Menções de nome – É difícil até alcançar a lista deles (screenshot abaixo) e, infelizmente, não existe uma quantidade pura que eu tenha consiguido encontrar no serviço, deixando isso quase impossível (e certamente não-pragmático) para rastrear o número de menções que você recebe no Google+ hoje.

  • Menções de marca – Outra coisa chata; não sei nenhuma maneira de encontrar isso no Google+ atualmente. No entanto, você pode usar o modificador de busca do Google “site:plus.google.com” e pesquisar pelo nome da sua marca com restrições de data, como esta pesquisa de exemplo (ilustrada abaixo):

  • Compartilhamento de conteúdo, conteúdo +1s, compartilhamento de link, link +1s – Estes seriam ótimos para adicionar à lista, mas, tragicamente, não existe nenhuma maneira de extrair os dados do sistema atual do Google+ (que eu saiba pelo menos). Espero que, no futuro, eles cheguem.
  • +1s de conteúdo do seu sites – Isto atualmente está indisponível no Google+, mas é possível rastrear através das ferramentas do Google Webmaster. A ferramenta realmente garante dados analíticos excelentes no impacto de +1s, sua quantidade, de onde eles vêm e para onde eles apontam:

  • Tráfego – O Google+ já é uma potência de tráfego para muitas marcas inclinadas para a tecnologia, e para aquelas pessoas que adotam novas tecnologias rapidamente em geral, especialmente considerando seu relativamente pequeno market share (1/8 do tamanho do Twitter em total de usuários, provavelmente em atividades menores). Aqui está um screenshot do tráfego do Moz (para registrar, eles são nosso nono site de referências para nosso site nos últimos 30 dias).

Talvez devido a problemas de privacidade, o  Google+ usa uma única URL de referência para todo o tráfego, ajudando a consolidá-la nos relatórios do analytics, mas frustrante ao determinar quais compatilhamentos/usuários/links enviaram qual quantidade ou valor de visitas.


Reddit, StumbleUpon, Quora, Yelp, Flickr e YouTube

Dependendo da quantidade e do valor do tráfego que outras mídias sociais enviam, outras métricas que valem a pena serem rastreadas devem existir. Para o SEOmoz, StumbleUpon, Slideshare, Reddit e Quora estão entre os nossos 50 maiores referenciais, e enviam 500+ visitas/mês. Eles provavelmente valem a pena o investimento em métricas e esforço, e se pequenas quantidades de contribuição/participação geram grandes retornos, um maior investimento é mais que justificado.


Blogs + fóruns

O mundo social começou quando sites de discussão (foruns, FAQ, quadros de discussão e similares) e a blogsfera reinavam absolutos. Eventualmente, a consolidação e a adocão massiva das grandes redes (as mencionadas acima) ganharam os corações e as mentes da imprensa, mas a web social ainda está bastante viva na blogsfera e no mundo dos fóruns.

Os vendedores têm oportuniddes massivas nesses espaços também. No SEOmoz, temos dezenas de milhares de visitas por semana de blogs e sites de discussão de todos os tamanhos, e a participação/interação com essas fontes muitas vezes gera resultados fantásticos no tráfego de referência, mindshare, e links. Muitas marcas fazem da mesma maneira, contratando gerentes de comunidades ou evangelistas para engajar em sites onde tópicos da indústria são discutidos e construindo perfis fortes e reconhecidos que ajudam a trazer relevância e a produzir mais tráfego+links.  

Assim como vendedores responsáveis, é nosso trabalho medir esses canais e a quantidade de seu impacto.

  • Site/menções da marca – menções de um site ou nome de marca, p.e. “seomoz” ou “www.seomoz.org” na esfera dos blog/discussões, pode ajudar a te levar para conteúdos e conversas cujo engajamento vale a pena, além de rastrear a quantidade dessas menções (e possivelmente de opinião também) com o tempo. Provavelmente vale a pena olhar o Google Alerts e o Blogscape para ajudar você a monitorar essas menções.

  • Links – links diretos são legais porque, eles aparecem ou em ferramentas de rastreamento de links como Google Webmaster Tools, Open Site Explorer ou Majestic OU diretamente no seu web analytics (se eles enviarem algum tráfego). Notar novas fontes de referências (em quantidade e localização) e aplicando métricas (eu gosto da Autoridade do Domínio pessoalmente, mas, claro, eu sou tendencioso).
  • Tráfego – necessário para qualquer canal de entrada, o rastreamento de visitas é a métrica mais simples aqui (apesar de que, honestamente, eu gostaria que ela pudesse ser rastreada em conjunto com as métricas quantitativas de menções/links e estatísticas, como seguidores vs não-seguidores/DA/# de domínios raízes de links/etc. Par ajudar a dar uma ideia do valor de SEO também).

Para qualquer canal de de marketing de entrada (social ou não) que você está considerando, eu realmente gosto deste:

Perder algumas horas em canais que não fornecem valor é mínimo perto ao valor de descobrir o valor e descobrir e participar daqueles que de fato fornecem!

Se você estiver curioso sobre esse processo, e quiser ir um pouco mais além, esta apresentaçãopode ser útil.

Ferramentas para medir métricas das mídias sociais

O número de ferramentas disponíveis para rastrear as mídias sociais cresceu exponencialmente nos últimos três anos, e enquanto eu serei incapaz de listar todas elas, espero que este seja um bom conjunto de exemplos:

  • PostRank ótimo para rastreamento de desempenho de conteúdo de RSS feed no mundo social, apesar de que, depois da compra pelo Google, os dados do Facebook agora se foram (que é a maior rede até agora, o que torna o serviço um pouco menos valioso, na minha opinião).
  • Bit.ly – excelente para rastrear os cliques em conteúdos vindos de qualquer fonte em qualquer dispositivo ou meio. É frustrante ter uma camada extra de analytics necessária, mas dada a falta de avaliação dos vários clientes desktop e móveis, o rastreamento do bit.ly se tornou o máximo para aqueles que buscam análises precisas nas páginas que eles compartilham.
  • Radian6 provavelmente a ferramenta de monitoramento de redes sociais mais conhecida, o Radian6 tem como alvo grandes empresas e grandes orçamentos, mas tem um rastreamento social impressionamente, bem como incrível análise de opinião e capacidade de relatórios.
  • Backtype outra ferramenta fantástica para rastrear as métricas sociais que pode ser perdida em uma aquisição pelo Twitter. Tenho meus dedos cruzados que eles estão planejando construir.
  • Social Mention habilita os “Google Alerts”-  como atualizações das fontes das mídias sociais (Twitter em particular) junto com vários plugins e funções de busca.
  • Raven Tools – um conjunto de ferramentas que oferece ambas funcionalidades de rastreamento social e de busca. O Raven ajuda a rastrear muitas das métricas básicas do Twitter, do Facebook e do YouTube, e provavelmente irá expandir para outras redes no futuro.
  • Converseon – uma ferramenta de monitoramento social bastante impressionante fora de Nova Iorque, o  Converseon, como o Radian6, tem como alvo empresas, mas oferece uma classificação de opinião e análise revisada por humanos – uma ferramenta muito poderosa para aqueles que buscam insights sobre sua percepção de marca na web social.
  • Pagelever – especificamente focada em rastrear páginas e interações no Facebook, fornece mais dados e profundidade que funcionalidades nativas do Insights.
  • TwitterCounter – uma ferramenta fenomenal para monitorar o crescimento das contas do Twitter até hoje (ele rastreia latentemente, oferecendo dados históricos para muitas contas, mesmo se você não tiver a utilizado antes). Fazendo o upgrade para “premium”, fornece análises sobre menções e também retweets.
  • FollowerWonk – tecnicamente, é uma ferramenta mais de descoberta social. O Wonk permite que você busque e encontre perfis através de uma função de busca “bio”, mas também oferece uma análise bem legal sobre sobreposição de seguidores e oportunidades no modelo pago.
  • Social Bakers – monitoramento de estatísticas para o Twitter e Facebook (r város tipos de fontes únicas do  Facebook , como  Places e Apps).
  • Crowdbooster – mais do que uma ferramenta pura de análise, o Crowdbooster foca em prover dicas como timing e usuários sugeridos para engajamento para ajudar a melhorar seu alcance social.
  • Awe.sm –  rastreamento de link e conteúdo, juntamente com métricas e análises sociais tradicionais; também apresenta uma interface muito bonita.
  • TwentyFeet – agregação de métricas e datastream do Facebook, Twitter e YouTube.
  • SimplyMeasured – relatórios através da exportação do Excel, incluindo alguns streams de dados bem legais.
  • Most Shared Posts – um plugin para WordPress de Tom Anthony que permite que os usuários do WordPress vejam os posts que são mais compartilhados no Google +1, no Twitter e no Facebook.

Se você tiver ferramentas que adora, sinta-se à vontade para adicioná-las nos comentários (links também são bem-vindos).

Recebi feedback deste ótimo post sobre ferramentas especificamente para o Google+, e algumas delas podem ser úteis para reunir os dados acima. Outras ferramentas que recebi (desculpas pelo meu descuido inicial):

Obviamente, existem toneladas de métricas e dados que merecem atenção, e nenhuma plataforma única para combiná-los (pelo menos, ainda não). Por enquanto, os vendedores estão presos com uma combinação de ferramentas, coleção manual, rastreamento de visitas através de análises e muitas questões sobre o valor da mídia social. No entanto, bem parecido com o espaço SEO, espero ver um maior crescimento de métricas, ferramentas, sofisticação dos vendedores e valor derivado da participação e do crescimento da rede. É excitante ser um adepto inicial nesse espaço 🙂


Este artigo é uma republicação feita com permissão. SEOMoz não tem qualquer afiliação com este site. O original está em http://www.seomoz.org/blog/tracking-the-roi-of-social-media

Fonte:imasters

Read More

13 out Use vídeos online para aumentar suas vendas

Você já viu a nova “sex tape” da Jennifer Aniston? Foi exatamente assim que o portal Entrepreneur, especialista em empreendedorismo, começou um post especial sobre como vídeos online podem aumentar as vendas nas pequenas empresas. O artigo de Brian Quinton faz referência a uma ação da atriz para a marca de água mineral SmartWater em que ela atua em um vídeo viral – que realmente tornou-se viral com mais de 9,5 milhões de views no YouTube. No vídeo Aniston aparece ao lado de três “garotos da internet” em situações divertidas com clichês de vídeos virais: animais, cachorrinhos, bebês em danças inadequadas, e, claro, a marcação “sex tape” – indicando conteúdo sexual.

O consumo de vídeos online cresce a cada dia. Em uma pesquisa realizada pelas empresas Frank N. Magid Associates e YuMe, 66% dos entrevistados disseram assistir mais vídeos pela internet hoje que há 12 meses e 48% esperam ver ainda mais no futuro. Setenta por cento deste público assiste a vídeos de cerca de cinco minutos.

Você pode estar pensando: o que meu negócio tem a ver com isso? Como posso atingir este público? O primeiro ponto é esclarecer que não há fórmula secreta para tornar um vídeo viral. Não há realmente nenhuma abordagem científica para o que cria buzz de vídeo em massa.

Mas há muitas maneiras de produzir um vídeo que pode gerar perspectivas para fazer uma conversão de vendas, ou pelo menos, obter mais pessoas envolvidas com o seu produto. Considere vídeos como descrição do seu produto. Quando se trata de comprar, estamos todos muito ligados ao visual – nós queremos dar uma olhada antes de comprar.

Números virais

• 49% dos entrevistados assistem vídeos online diariamente

• 7 horas é a média de horas gastas por semana assistindo a vídeos online

• 58% dos entrevistados fazem outras atividades enquanto assistem a anúncios de TV

• 26% dos entrevistados fazem outras atividades enquanto assistem a anúncios online

Na prática

Ice.com é uma varejista on-line de jóias que adicionou vídeos de seus produtos com descrições. São mais de três mil peças. Jóias são usadas para serem vistas e com os vídeos os consumidores têm uma melhor noção de como a peça ficará em uma pessoa. Com ele a pessoa fica mais tranquila para realizar a compra online.

Resultado: a taxa de conversão em compra dos visitantes que assistem alguns dos vídeos disponíveis no site é quatro vezes maior que a daqueles que não assistem. Já a devolução de produtos diminuiu em 25% – a empresa credita isto ao fato dos clientes poderem visualizar melhor os produtos antes de comprar.

A Zappos.com também acrescentou mais de 50 mil vídeos ao seu site. A marca os utiliza não só para transmitir informações sobre seus produtos como também para consolidar-se como uma marca humanizada e que se importa com seus consumidores – eles utilizam funcionários em seus vídeos.

A Zappos aproveita o entusiasmo de seus consumidores que criam e compartilham vídeos em um canal no YouTube chamado ZapposExperience. São vídeos curtos e simples, com cenas reais de clientes abrindo suas compras ou presentes. Se você tem clientes satisfeitos, porque não deixa-los falar?

Outro exemplo dado pelo portal Entrepreneur é a empresa Milwaukee Electric Tool, fabricante de ferramentas elétricas portáteis para construção, que começou a adicionar vídeos a suas páginas em 2008 em resposta aos seus clientes, que pediam para ver os produtos da marca em ação. Hoje eles têm cerca de 50 vídeos em seu site. A empresa percebeu que os vídeos aumentaram o tráfego do site em 30%, por isso decidiu incluí-los em seu e-mail marketing. Como? Com imagem de uma das telas do vídeo e um link levando para a página em que está hospedado. Resultado: uma taxa de cliques de 3% e uma crescente lista de assinantes que já chega a seis dígitos.

E para um vendedor, estas são métricas muito atraentes!

Fonte:pegn

Read More

07 out Hootsuite integra páginas empresariais e grupos do LikedIn

O Hootsuite anunciou na terça-feira (04/10) que vai adicionar grupos e páginas de empresas do LinkedIn. Antes, a ferramenta de gerenciamento de mídias sociais só dava suporte para páginas pessoais. A integração é essencial para o Hootsuite se desenvolver junto com seu maior público: os profissionais de social media.

Desde que deu entrada para abrir capital, em janeiro, o LinkedIn ganhou mais atenção como uma plataforma social. Editores e marcas passaram a prestar mais atenção a ela, depois que a rede social lançou, em maio, produtos especialmente para profissionais, como o LinkedIn Today.

Com os novos recursos do HootSuite, os gerentes de mídia podem enviar atualizações de status da empresa, e iniciar discussões em grupo em torno de seu conteúdo. Para as empresas que utilizam o LinkedIn para RH, marketing e recrutamento, é uma oportunidade para postar vagas de trabalho e compartilhar profissional especialistas.

Esse é apenas o início da parceria dos dois serviços. O LinkedIn nomeou o HootSuite um dos seus quatro sócios fundadores em seu novo Certified Developer Program, uma rede de desenvolvedores designados para ajudar comerciantes, agências e empresas a usarem o LinkedIn para se conectar com seu público. E há mais funcionalidades do LinkedIn para o Hootsuite devem ser lançadas em breve. 

A integração com os grupos do LinkedIn está disponível desde ontem. Quem estiver interessado em páginas empresariais do LinkedIn, pode testar a versão beta do programa.

Com informações de Mashable

Fonte:imasters

Read More

07 out “x estão falando sobre isso” é a nova métrica do Facebook

Nos últimos dias, depois do anual “Advertising Week“, surgiu um novo número nas fan pages de várias pessoas. Localizado abaixo do número de fãs da página, agora temos o “estão falando disso“. A nova métrica faz parte da novidade em relação ao painel de análise de dados das páginas, que deve ficar como na imagem abaixo:

facebook fan page insights novo x estão falando sobre isso é a nova métrica do Facebook

Segundo noticiado pelo Mashable, o objetivo é motivar as empresas a tornarem suas páginas mais interativas, já que o número é relativo ao engajamento de seus fans.

Ainda não ficou bem claro como o número mostrado é medido em relação ao tempo (é dia, semana, mês, ano?) ou como ele é medido exatamente (ao que se pode perceber é relativo aos usuários engajados com suas publicações).

Neste novo painel também vai haver uma aba mostrando suas últimas 500 publicações, dando espaço para você analisar taxas de engajamento, pessoas falando sobre e a viralidade dentro destas suas últimas publicações.

Veja um pouco mais sobre este novo painel:

aba analytics completa x estão falando sobre isso é a nova métrica do Facebook

Fonte:Midiatismo

Read More