24 fev Bing lança ferramenta que melhora sua busca social

Chamado de “Linked Pages”, recurso oferece a possibilidade de linkar seus perfis nas redes sociais a termos de buscas

 

BingA Microsoft acaba de anunciar um novo recurso para o buscador Bing, chamado “Linked Pages” (“Páginas linkadas”, em português).  O objetivo, segundo o site Search Engine Land, é oferecer resultados de buscas mais personalizados e ricos.

Por exemplo: se você buscar por um sobrenome de algum amigo seu, o perfil desta pessoa nas redes sociais poderá aparecer para você logo no topo dos resultados de buscas.  Além disso, o recurso permite que o usuário diga ao Bing quais páginas são, realmente, de seus amigos.

A ferramenta ainda oferece a possibilidade de linkar resultados de buscas ao seu próprio perfil para que suas páginas estejam associadas a certos termos. As novidades ajudam os usuários a encontrar mais facilmente informações sobre seus amigos, mas também dá à Microsoft a oportunidade de saber mais sobre você e seu círculo de amizade.

Para quem se interessou e quer começar a usar o “Linked Pages”, basta fazer o login no site usando sua conta do Facebook. Em seguida, permita que o Bing use suas informações e clique em “link to me” ou “link para mim”. Para desassociar um resultado de buscas, basta clicar no botão “unlink me”.

 

Fonte:Olhadigital

Read More

24 fev Infográfico analisa como as redes sociais atuaram no Carnaval 2012

Infográfico analisa como as redes sociais atuaram no Carnaval 2012
A empresa de métricas e pequisas em mídias sociais Aceita, analisou quase 170 mil publicações relacionadas ao Carnaval 2012 no período entre os dias 17 e 21 de fevereiro deste ano e elaborou um infográfico. Na análise, a empresa estipulou que mais de 510 milhões de pessoas haviam sido impactadas, sendo 13% do total de menções relacionadas ao Estado de São Paulo. 

Infográfico analisa como as redes sociais atuaram no Carnaval 2012
















































Acesse o Artigo Original: http://www.blogmidia8.com/2012/02/infografico-analisa-como-as-redes.html#ixzz1nJ69emw6

Read More

22 fev Dicas e ferramentas de monitoramento de SEO

 

No mundo real, as coisas dão errado. E apesar de desejarmos que tudo que já consertamos uma vez, fique consertado para sempre, isso raramente acontece.

As coisas que antes não eram um problema, podem se tornar um rapidamente e por vários motivos:

  • Alguém muda alguma coisa que não tem nada a ver diretamente com você, ou sem perceber que isso o atingiria, ou apenas faz besteira (por exemplo, implementa uma versão de teste do robots.txt ou uma versão antiga de uma configuração do servidor);
  • O mundo muda ao seu redor (uma atualização do Google foi nomeada em homenagem a um animal preto e branco pouco tempo atrás);
  • Os gremlins técnicos se juntam contra você (downtime do servidor, DDoS etc).

Em todos esses casos, é melhor saber do problema mais cedo, do que mais tarde; porque normalmente, sua capacidade de minimizar os efeitos diminuem rapidamente com o passar do tempo (e para os outros casos, você ainda quer saber o que está acontecendo antes do seu chefe/ cliente).

Apesar de sabermos que deveríamos fazer recomendações nessas áreas, ainda estamos criando conselhos inúteis, como: “certifique-se de que você tenha um ótimo uptime”, ou “certifique-se que seu site seja rápido”.

Hoje, quero dar três conselhos práticos e que você pode começar a executar em seu próprio site, ou com seus clientes.  Eles ta ajudarão a encontrar os problemas o mais rápido possível, a evitar sérios problemas de indexação e a ser rapidamente alertado sobre implementações ruins, que podem prejudicar o seu desempenho de busca. 

1. Quedas de tráfego

O Google Analytics tem um recurso que mostra mudanças significativas no tráfego, ou em seu perfil. Ele também pode te alertar. O primeiro desses recursos é chamado “intelligence” e o segundo “intelligence alerts”.

Ao invés de recriar um conselho antigo, irei apenas linkar para dois dos melhores posts que li sobre o assunto:

Esta é a mais simples de todas as recomendações e também a mais holística – no sentido de que pode te alertar para qualquer tipo de queda no tráfego. O lado negativo, é claro, é que você está medindo sintomas e não causas. Dessa forma, vai ter que analisar as causas, para poder descobrir o problema e tentar resolvê-lo, ao invés de preveni-lo.

2. Monitoramento de uptime

Não precisamos de um super cientista para perceber que o SEO depende do seu site. E não só em como você otimiza seu site, mas também na sua disponibilidade.

Se não é seu trabalho alertar os maiores clientes que o site está fora do ar, não faz mal fazê-lo. E para os clientes menores, existe uma chance de você agregar um valor significante, ao manter o foco nessas coisas.

Tenho dois motivos bons e ruins para saber muito sobre monitoramento de servidor:

  • O bom: fizemos um pequeno investimento no Server Density em maio do ano passado (e conseguimos nosso único link da Techcrunch no processo);
  • O ruim: estamos mais entusiasmados com o portfólio de serviços da nossa empresa do que esperávamos – alguns problemas chatos de servidores resultaram em mais atraso para o distilled.net do que eu gostaria. Para piorar, sofremos um ataque DDoS na semana passada (veja o gráfico de velocidade abaixo);

Existem três principais elementos que você deve monitorar:

  1. Disponibilidade (incluindo o código de resposta);
  2. Carregamento e desempenho de servidor;
  3. Velocidade de resposta / tempo de carregamento da página.

Disponibilidade do website

Existem dois serviços que recomendo aqui:

  • Pingdom é um serviço gratuito que monitora a disponibilidade e o tempo de resposta do seu site;
  • Server Density é um serviço pago que fornece alertas e gráficos mais granulares e os alinham com o monitoramento de desempenho do seu servidor.

É assim que o painel da Server Density é:

    E aqui está o gráfico de tempo de resposta do Pingdom: 

    Você pode ver o aumento no tempo de reposta durante o ataque DDoS e o tempo médio de tempo de resposta nos últimos dias, depois que implementamos o cloudflare.

    A propósito, você pode não ter notado (eu não tinha percebido, até que um amigo me mostrou no outro dia) que o Google transferiu a velocidade do site para todas as contas do analytics sem a mudança anteriormente necessária no fragmento do GA, então você pode conseguir alguns desses dados diretamente da sua conta do GA. Aqui está a parte técnica de algumas páginas do Distilled:

    3. Protocolos de exclusão de robôs, status de códigos

    Esta foi uma das minhas ideias mais ambiciosas para monitoramento de SEO. Ela surgiu a partir de um problema real de um cliente. Um grande cliente estava lançando um novo site e fez a implementação de uma versão antiga do robots.txt em uma manhã de sábado (integração contínua FTW). Por sorte, o SEO responsável pelo projeto viu isso rapidamente. Ele ligou para o contato chave e reverteu a intalação antes que causasse algum dano. Tivemos uma reunião semana passada onde discutimos como poderíamos nos alertar sobre esse tipo de coisa automaticamente.

    Fui até David Mytton, o fundador do Server Density e perguntei se ele poderia construir alguns recursos para te alertar quando este tipo de coisa acontecer – se nós acidentalmente ativarmos a tag noindex para nenhum bot ver nosso site,ou bloqueá-lo no robots.txt. Ele criou essa solução engenhosa que usa a funcionalidade já presente no cerne de sua plataforma:

    Monitorando qualquer mudança no robots.txt

    Primeiro, crie um serviço para monitorar o robots.txt – aqui está o nosso:

    Então, crie um alerta que irá te dizer se a hash MD5 dos conteúdos do robots.txt mudar (veja a definição de MD5 aqui):

    Se você copiar e colocar os conteúdos do seu robots.txt em um gerador de MD5 você tem um texto sem sentido (o nosso é “15403cbc6e028c0ec46a5dd9fffb9196”). O que este alerta está fazendo é monitorar qualquer mudança no nosso robots.txt, então se fizermos a implementação de uma nova versão, eu receberei um alerta por email e uma notificação push no meu telefone. Não seria bom receber esse tipo de alerta se um cliente ou time de desenvolvedores fizesse uma atualização no robots.txt sem te avisar?

    Localizando a inclusão de no-index meta tags

    Da mesma maneira, você pode criar alertas para strings específicas de textos encontrados em páginas específicas – eu escolhi receber um alerta se a string “noindex” for encontrada no HTML da homepage da Distilled. Se acontecer de atualizarem a versão do sistema, ou alterarem uma configuração em um plug do WordPress, eu receberei uma notificação push no meu telefone.

    Fazer esse tipo de monitoramente é gratuito para mim, porque já utilizamos o Server Density para monitorar os servidores, então não é nenhum esforço extra monitorar as somas de verificação e a presença, ou não, de strings específicas.

    4. Bonus – por que parar ali?

    Dê uma olhada no que o etsy monitora e para as coisas tem alertas. Se você tiver um time capaz de construir uma plataforma / infraestrutura, então existem coisas ilimitadas que você pode monitorar e alertar. Aqui estão algumas ideias para você começar:

    • status de códigos – 404 vs 301 vs 302 vs 500 etc;
    • mudanças em taxas de conversão / abandono de carrinho;
    • crawlers de sites de pesquisa – dado o quão interessado eu estava na simples visualização de páginas que foram inspecionadas pelos buscadores disponíveis no cloudflare (veja abaixo – quem teria adivinhado que seríamos mais analisados pelo Yandex do que pelo Google?), acredito que existe muito mais que pode ser feito aqui:

    ***

    Fonte: Imaster

    Read More

    16 fev Os horários nobres do Twitter no Brasil – 2ª edição

    Estudo mostra os dias e horários de maior movimento no microblog

    Pelo segundo ano seguido, o Fala, Scuper! publica o estudo Os horários nobres do Twitter no Brasil. Desta vez, identificamos os horários de maior movimento no microblog a partir da análise do volume dos tweets coletados pelos monitoramentos feitos com o Scup em 2011. No total, foram monitorados 36.092.631 tweets de domingo a sábado durante os 12 meses do ano passado, uma média de 3.007.719, 25 tweets por mês. Como é possível notar nos gráficos abaixo, quinta-feira é o dia da semana com maior movimento no Twitter, seguido de perto por quarta-feira. Os períodos com maior pico de postagens continuam sendo entre 14h e 17h e 20h e 22h. Vale lembrar que compartilhar uma mensagem nesses dias e horários não garante que ela será lida por um número maior de usuários. Isso porque há milhões de outros tweets disputando a atenção das pessoas. Por isso, ao elaborar sua estratégia para as mídias sociais, tenha em mente os riscos e as oportunidades que os horários nobres do Twitter podem trazer para você.

    Fonte:Scup

    Read More

    14 fev Manual corporativo básico de relacionamento nas redes sociais

    Para que sua empresa encontre o tom certo para lidar com o público, discuta estas 25 dicas claras e objetivas com sua equipe de monitoramento e relacionamento.

    Como você se relaciona com seus clientes nas mídias sociais? Quais são as premissas que regem esse relacionamento? De que maneira as demandas de seus clientes são atendidas? Como você lida com as reclamações sobre produtos e serviços de sua empresa no mundo digital?

    Atualmente, as companhias enfrentam o desafio de encontrar o tom certo para se relacionar com as pessoas nas mídias sociais, engajá-las, evitar crises e dar respostas a todo tipo de solicitação.

    Para ajudar, preparei um manual básico de relacionamento nas mídias sociais. Apresento aqui 25 dicas que podem fazer toda a diferença para o sucesso de sua operação online:

    1. Monitore o que as pessoas estão dizendo sobre a sua marca, produto ou serviço;

    2. Ao ouvir o que as pessoas falam, identifique as mensagens que devem ser respondidas;

    3. Deixe claro para seus clientes o horário que sua equipe de atendimento está disponível nas mídias sociais. Se você tem uma equipe monitorando seus perfis e respondendo aos clientes das 9h às 18h, comunique isso a seus seguidores;

    4. Seja transparente. Admita erros e procure responder a todas as solicitações;

    5. Ao responder às demandas de seus clientes, não fique na defensiva;

    6. Diga sempre obrigado;

    7. Ao responder solicitações e postar mensagens ou conteúdos, procure ser amigável. Deixe claro que há uma pessoa por trás dos seus perfis nos canais de relacionamento. Não esqueça, porém, que você deve mostrar profissionalismo e respeito a seus seguidores ao postar;

    8. Antes de inovar nas respostas aos clientes, tenha em mente as seguintes questões: Quais serão as consequências de uma ação dessas? As pessoas vão gostar? Se eu escolher uma solicitação específica para responder de maneira inovadora, outros clientes não podem ser sentir inferiorizados? Eu possuo uma equipe capacitada para dar respostas diferentes a todas as solicitações? Dependendo do tamanho de sua equipe, o ideal é mesclar respostas padrões com respostas personalizadas;

    9. Deixe o mural de sua página no Facebook aberto para as pessoas postarem suas mensagens;

    10. Jamais apague de seu mural no Facebook reclamações sobre produtos e serviços de sua empresa, a menos que o texto seja uma ofensa gratuita;

    11. Sempre que possível, responda às seus clientes em público. Só torne a conversa particular quando ela envolver dados sigilosos deles ou de sua empresa;

    12. Depois de responder a uma solicitação de um cliente numa conversa particular, faça questão de registrar publicamente que ela já foi resolvida ou encaminhada para o setor responsável;

    13. Pense antes de formular suas respostas. Apesar de ser necessário agir com rapidez nas mídias sociais, uma resposta mal elaborada pode causar um sério dano à imagem de sua empresa;

    14. Se você não tiver uma solução rápida, mantenha o cliente informado de todos os passos que você tomará para alcançá-la;

    15. Ao receber uma crítica, mesmo que você não concorde com ela, agradeça pelo feedback e mostre seu ponto de vista com cuidado;

    16. Se você perceber que as pessoas estão reclamando de sua empresa por falta de informação ou porque alguém espalhou uma mentira, aja rapidamente para desfazer o mal entendido fornecendo elementos que provem o contrário;

    17. Se você notar que muitas pessoas estão reclamando de um mesmo problema, dê explicações e mostre disposição para ajudá-las;

    18. Tenha respostas prontas para questões comuns que as pessoas podem fazer a você nas mídias sociais. Por exemplo: como faço para trabalhar na empresa?

    19. Divulgue e-mails específicos para as pessoas encaminharem detalhes de suas solicitações;

    20. Se achar necessário, encaminhe seus clientes para páginas específicas do site da sua empresa, onde elas possam preencher formulários e detalhar solicitações;

    21. Lembre-se que algumas pessoas podem postar reclamações que não dizem respeito a problemas específicos ou que não exigem uma solução da sua parte. Por exemplo, uma pessoa posta no mural de uma página de um banco no Facebook: “Odeio o sistema bancário brasileiro. Odeio o capitalismo”. Nesse caso, é melhor ignorar a postagem;

    22. Se alguém usar seu mural no Facebook para postar textos preconceituosos, imagens pornográficas ou agressões verbais gratuitas, sinta-se à vontade para deletá-las;

    23. Se uma postagem que você fizer no Facebook gerar uma discussão, só intervenha quando alguém relatar um problema concreto ou publicar alguma informação incorreta ou ofensiva. Em outras situações, deixe a discussão rolar livremente;

    24. No Twitter, siga quem te segue. Assim, você pode trocar Mensagens Diretas com seus clientes quando for necessário; e

    25. Crie um calendário para suas postagens nos diferentes canais de relacionamento (Twitter, Facebook e etc);

    E na sua empresa, quais pontos fazem parte do manual de relacionamento nas mídias sociais?

     

    Fonte:Webinsider

    Read More

    14 fev Pinterest cresce e aparece. Você já sabe utilizá-lo?

    Rede social precisou de apenas dois anos para se tornar a maior aposta de 2012. Entenda o que é e como funciona com este breve tutorial.

    É provável que você já tenha ouvido falar do Pinterest – caso contrário, é só uma questão de tempo. Em pouco mais de dois meses, o que era uma pequena startup em estágio beta se tornou a rede social mais promissora desde o Facebook.

    Mas, afinal, o que há de tão interessante no site e o que fazer para utilizá-lo? Para descomplicar um pouco as coisas, confira um breve tutorial a seguir.

    • O Pinterest é basicamente um mural online – pense em tachinhas e fotos – onde as pessoas compartilham imagens que gostam. Um Facebook sem os excessos.
    • Por enquanto, está restrito a convidados. Você pode visitar o site e solicitar o ingresso, cadastrando seu endereço de e-mail, ou pedir a algum conhecido a entrada. Ele só terá que ir até o nome de usuário e clicar em “Invite Friends” (Convidar Amigos) no menu que aparecer.
    • Mesmo sem o login, é possível navegar pelos “pins” que os membros da rede social postaram. Por padrão, o portal mostra um pouco de cada tema: comida, moda, produtos, esportes, viagens e por aí vai. No entanto, para priorizar uma categoria basta selecioná-la.
    • Um pin nada mais é que uma foto, acompanhada de um comentário e, se for o caso, do link de onde ela foi tirada.
    • Uma vez que você tenha sua própria conta, poderá compartilhar itens de várias maneiras. As duas mais fáceis: enviar uma imagem armazenada no seu PC ou utilizar o ícone “Pin it”, que muitos sites já exibem.
    • Além de organizar os arquivos de acordo com as categorias convencionais, também é possível criar suas próprias. São as chamadas “pin boards”, espécie de pastas, para as quais você poderá enviar as fotos.

    Nem é preciso dizer que o Pinterest é um serviço extremamente social e que, portanto, oferece integração com plataformas como o Facebook e o Twitter, sugerindo amigos para que você possa ver o que estão compartilhando – e vice-versa.

    Fonte:Idgnow
    Read More