05 jul Conheça algumas estratégias de logística para alavancar suas vendas

O processo de logística para uma loja virtual tem uma grande importância no desempenho das vendas online. Afinal, o controle certo do estoque, cálculo do frete, planejamento de vendas, armazenamento de produtos e até o empacotamento são fundamentais para garantir uma boa experiência de compra ao cliente e, consequentemente, a evolução da marca.

Independentemente da importância de todos esses fatores, muitos empreendedores ainda possuem dificuldades na gestão de logística de seu negócio. Além dos altos custos com manuseio e armazenagem. Uma pesquisa promovida pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) mostra que 61% das lojas virtuais têm como principal problema o atraso nas entregas, o que afeta diretamente a experiência de compra e a fidelização do cliente. Mais da metade dos contatos realizados nos SACs das lojas virtuais são devido a problemas com entrega de pedidos.

Dados da 35ª edição do Relatório WebShoppers (ebit – Buscapé) demonstram que, mesmo diante da situação econômica do país, o comércio eletrônico tende a evoluir. O avanço das plataformas de e-commerce, principalmente com o crescimento das compras via celular (mobile), bem como a chegada de novos players que irá possibilitar um aumento da concorrência no varejo online e contribuirão com este crescimento.

Para mudar esse cenário só há uma maneira: dominar o conhecimento dos principais pontos que envolvem a logística no e-commerce, a fim de escolher as melhores estratégias para a sua empresa.

Para ajudá-lo nessa, confira um guia de logística para e-commerce, dessa forma você poderá elaborar mecanismos para melhorar seu processo de entrega e expandir cada vez mais o seu negócio.

Planejamento de vendas e operações.

O sucesso de uma loja online está diretamente ligado ao processo de armazenagem, expedição e entrega dos produtos. Afinal, para que conclua uma venda é fundamental que o produto esteja disponível.

Ainda assim, muitas vezes o cliente entra em um site com a intenção de compra e se deparada com a mensagem “produto indisponível”. Para evitar essa situação, é indispensável uma gestão de estoque minuciosa e o apropriado planejamento de vendas, que é onde entra o sales and operation plan (S&OP), ou seja, vendas e planejamento das operações.

Controle de estoque

O objetivo básico do controle de estoque é poupar o acúmulo desnecessário ou a falta de produtos, além de auxiliar no controle das finanças e o espaço físico da empresa. Caso contrário, podem ocorrer duas situações que atingem a margem de lucro: um determinado produto com alta procura pode ficar indisponível, ocasionando perda de vendas, ou você pode ter em estoque muitos produtos com baixa procura.

É considerável definir quais níveis de estoque serão mantidos, quais serão os critérios e tempo de ciclo de reposição, sendo esse o tempo entre o pedido e a entrega do material ao estoque, e quais os critérios tomados para a liquidação de estoques defasados e promocionais.

Liquide e queime estoque quando necessário

Se o produto não tem saída, ou está chegando ao ponto de obsolescência, queime! Faça promoção, seja criativo no seu canal de venda. São poucos os itens que se “valorizam” ao longo do tempo dentro de um estoque.

O estoque deve ser a consequência de um plano comercial realístico e alinhado estrategicamente. Não há controle de estoque que compense um plano incorreto de suprimentos e vendas. Por isso, dedique mais tempo ao plano e política de estoques.

Acompanhe inventários permanentes

O que não é medido não é contado, portando, produza inventários constantemente. Não leve o inventário somente como uma obrigação contábil, faça a harmonia dos itens, mesmo que parcialmente, com frequência quase que diária, ou utilize um prazo máximo de 3 dias de intervalo. Além das perdas financeiras, vender e não ter o produto para atender é um risco fatal para os lojistas.

Reduza Custos

Gastos com embalagem, empacotamento e frete ocupam uma parcela considerável do orçamento do comerciante. Para que se tenha noção, somente o manuseio e o estoque são responsáveis por uma considerável parte dos custos de uma loja virtual, totalizando 37,4% das despesas desse setor, segundo levantamento realizado em 2015 pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

Outro ponto notável é que usualmente o profissional se desdobra para dar conta de inúmeras atividades da rotina administrativa e, ao mesmo tempo, precisa ter como garantia o crescimento do seu e-commerce. O problema é que algumas dessas etapas consomem muitas horas do dia, o que torna difícil ter tempo livre para estudar soluções inovadoras e aumentar as suas vendas.

Aposte em bons parceiros especializados em logística, que possuam ferramentas atuais e que ofereçam acima de tudo segurança na entrega de seus produtos.

Vimos que ter uma boa logística, seja ela interna, ou por meio de uma plataforma externa eficiente, é um diferencial no processo de decisão de compra de seu cliente, e a experiência de compra sendo positiva, a fidelização do mesmo se torna cada vez menos difícil.

 

Fonte:ecommercenews

Read More

05 jul A importância das fotos nos produtos de ecommerce

A experiência de compra em uma loja virtual é totalmente diferente da loja física, portanto, investir em imagem de qualidade é fundamental para o sucesso de um ecommerce. É um erro, quando alguns negócios virtuais deixam o processamento e a qualidade fotográfica dos produtos em segundo plano. As fotos fornecidas pelos fabricantes podem vir sem tratamento, baixa resolução, que acabam desvalorizando o produto e por vezes impossibilitando a publicação em marketplaces. É preciso ter cuidado ,para não usar foto de produto que está sendo usado por um modelo que não é compatível com a audiência, mercado ou estilo. Claro, que tem um custo, mas a taxa de conversão de vendas pode ser bem maior, além de ampliar a confiança do cliente na loja.

Vamos juntos entender definitivamente sobre a importância das imagens para a sua loja virtual? Destaquei nove dicas fundamentais relacionado ao tema fotografia para o sucesso do seu negócio.

  • Chroma key, famoso fundo verde

Nem pensar! O verde contamina as cores do produto e encarece a pós-produção. Eu achei que já tinha visto de tudo, mas em 2018 já tive que tratar um produto de acrílico transparente capturado em fundo verde. Veja exemplo abaixo:

  • Fundo branco sempre, em alguns casos, fundo cinza

O fundo cinza ou iluminação leve é o ideal para captura de produtos como cristais, relógios, óculos de sol e qualquer outro produto que possui material espelhados ou material que refletem tons claros. A pós-produção vai ser muito mais efetiva, rápida e com qualidade visual superior.

  • Processo de qualidade

Um profissional de pós-produção deve ser envolvido logo na fase de captura para o levantamento do custo final e a criação correta da galeria de fotos do ecommerce. Fundo, luz e posicionamento podem ser determinantes para a plástica da fotografia e influenciar a decisão da compra pelo consumidor final. O fotógrafo é o artista de composição e da luz. O pós-produtor vai garantir que a foto será compatível com e-commerce e marketplaces. E acredite, os custos serão diluídos. Lembre-se que a experiência do usuário no ecommerce está diretamente relacionado com a imagem, então vale a pena investir em qualidade e serviço profissional.

  • Fotos em Lote

Já que você decidiu por usar serviços profissionais, o ideal é contratar um fotógrafo com parceiro de pós-produção voltados para e-commerce e marketplace no pacote. Isso evita que você tenha que remover o fundo da foto, correr atrás de um designer, freelancer, estúdio ou devolver o serviço para o fotógrafo cobrar pela adaptação da foto para marketplace ou e-commerce. Durante a captura então, organize a demanda, pois a diária de um fotografo pode ser melhor aproveitada, já que o profissional estará a sua disposição. Resolva tudo com antecedência como o ambiente e os produtos disponíveis para a foto, assim você otimiza o tempo do profissional e o seu também.

  • Fotos no detalhe
O fotógrafo romântico adora fotos com efeitos especiais, colagens, fusões, sobretudo, fazer a pós-produção de forma única, como uma obra de arte.

O fotógrafo de e-commerce é diferente. Embora tenha a mesma paixão, ele sabe que só fatura enquanto estiver usando o tempo dele para fotografar, pois sabe que o cliente vai pagar o mesmo valor se levar 1 ou 20 dias para pós-produzir. Nessas horas é importante ter um parceiro especializado em pós-produção de fotos para marketplace para escalar a entrega de serviço dele e aumentar o faturamento.

No caso do empreendedor, mais uma vez vamos tocar no tema “experiência”, como o cliente não pode tocar no produto, diferentes ângulos, além de detalhes do produto devem ser ressaltados, assim mesmo não tocando será possível perceber o tamanho real, a cor e outras especificações. Lembre-se o cliente sabe sempre o que quer, é exigente e se sair da sua loja talvez não volte, então a experiência deve ser incrível.

  • Estilo

Pense na loja como uma vitrine de rua, que precisa chamar a atenção, mas precisa ter singularidade e o estilo faz a diferença e sua marca poderá ser reconhecida por isso. Pense em uma cor de fundo padrão, produtos dispostos em uma mesma linha de posição e enquadramento, separados por categorias, enfim mantenha a harmonia, e quanto menos poluição visual melhor, portanto o produto será sempre a estrela.

  • Conexão entre o real e o virtual

O cliente pode até saber o que quer comprar, mas se uma linda modelo estiver usando o sapato escolhido, com certeza a conexão entre o real e o virtual se estabelece nesse momento, o desejo entra em cena e o imaginário do consumo é ativado. As fotos com modelos vivos custam mais caro, pois envolvem uma alta produção, mas é possível dedicar um orçamento para 10% dos produtos da loja, não precisa investir na totalidade, pense nos produtos que vendem mais, por exemplo, assim o consumidor se sentirá mais ligado a peça e a vontade de consumir aumenta (Ficou linda nela, quero para mim).

  • Fotos 360°

A foto 360º já em uma realidade tanto no ambiente físico quanto virtual. Os recursos de rotação 360º aumentam o valor do produto ou da loja e a experiência, que falamos desde o começo do nosso artigo torna a compra mais divertida e interativa, além de favorecer um aumento na taxa de conversão de vendas da loja. Veja o exemplo abaixo e observe cada detalhe de uma visualização em 360º com recurso de aumento de imagem (zoom) e rotação.

Facebook já tem o recurso de foto 360º e lançou recentemente o recurso de post com objetos 3D. Imobiliárias já estão aderindo a solução de exibir cômodos para ser explorada na fotoespera – finalmente você vai poder ver o espaço sem precisar visita-lo e perder seu tempo e do corretor.

  • Novidade

Podemos chamar de novidade ou exclusividade, por isso, vale a pena guardar uma parte da fotos para mudar a exposição do seu carrossel de produtos, assim a loja terá sempre novidade, um visual novo e moderno. Não gaste todas as suas “cartas” em um único dia, variar dará mais frescor a loja.

 

Fonte: Ecommercenews

Read More

05 jul 8 motivos para criar a sua loja virtual na Plataforma Tray

A plataforma de E-Commerce Tray é considerada uma das melhores plataformas de E-Commerce do mercado Brasileiro. Atende perfeitamente desde o pequeno lojista até grandes estruturas de varejo.

Se você quer se destacar entre os seus concorrentes, é primordial a seleção de uma plataforma de E-Commerce eficiente. Nós, da Chiclé Digital, preparamos um conteúdo repleto de informações sobre as vantagens de você implementar a sua loja virtual na Tray.

Separamos abaixo 8 bons motivos para lhe ajudar a tomar essa decisão:

1˚ – 15 anos de história

Tão importante quanto qualidade, é experiência. A Tray possui mais de 15 anos de história de E-Commerce. A plataforma ganhou o prêmio ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) de inovação digital em 2015, ou seja, foi eleita como a melhor plataforma de E-Commerce do país. 

2˚ – Preço justo

A Tray possui opções em conta para quem está iniciando no mercado de E-commerce, porém já quer começar com uma excelente plataforma. Ao total são 5 planos já estabelecidos, além do plano corporativo. Clique Aqui e confira os custos da Tray.

3˚ – Mais de 200 recursos

A plataforma oferece mais de 200 recursos para seus clientes, possibilitando assim que você “turbine” a sua loja virtual e venda mais.

4˚ – Suporte personalizado

Este é um detalhe que a Tray mais se destaca: o suporte. Nem todas as plataformas de E-commerce consegue oferecer um suporte via Telefone, além do suporte Web.

5˚ – Integrações com Marketplace

Você pode também vender nos principais Marketplaces do mercado, de forma simples, rápida e segura. Toda a integração já está preparada na plataforma, sem custos adicionais de integração!Idem para a integração com o Mercado Livre.

6˚ – Código aberto

Com o Opencode da Tray (Código aberto), você consegue ter acesso total ao front end da plataforma, permitindo assim um auto nível de personalização de layout.

7˚ – Administração via Celular

Você consegue controlar tanto a gestão de vendas quanto a administração da sua loja pelo celular, o que possibilita assim uma grande flexibilidade e agilidade na correria do seu dia-a-dia.

8˚ – Foco na Conversão em vendas

Com o Easy Checkout, tecnologia patenteada pela plataforma, o seu cliente consegue efetuar a compra com total segurança e agilidade em uma loja virtual implementada na Tray.

Diante destes e diversos outros motivos, e principalmente contando com a experiência da Chiclé Digital com relação às plataformas de E-Commerce, a Tray é uma das melhores plataformas com custo x benefício do mercado para pequenos e médios lojistas. É imprescindível a seleção de uma excelente plataforma de E-Commerce visando a melhor performance.

Read More

05 jul Google Shopping: Aprenda O Que É e Como Funciona

Você gostaria de aproveitar o Google Shopping para fortalecer sua presença de marca e gerar vendas?

Google Shopping é um serviço do Google que funciona como uma vitrine online de produtos, e faz a ligação entre consumidor e lojista.

Embora não seja um serviço recente, teve um aumento inacreditável de faturamento em 2017. Por isso, tende a ser uma excelente aposta como estratégia de marketing para 2018.

Se você tem uma loja e-commerce e ainda não investe em Google Shopping, você está deixando de ganhar dinheiro!

No artigo de você, você vai aprender:

  • O Que É o Google Shopping?
  • Como Funciona e Como Anunciar Através de Uma Campanha no Google Shopping
  • Benefícios do Google Shopping Para a Sua Empresa
  • Dicas Para Você Utilizar nas Suas Campanhas do Google Shopping
  • Conclusão

Tenho certeza, que ao fim, você entenderá o motivo pelo qual o Google Shopping cresceu mais de 50% em faturamento no ano passado.

Imagine sua loja aumentando o seu faturamento com uma projeção como essa?

Seria um 2018 incrível, não é mesmo?

Então, hoje de colocar a mão na massa e aproveitar essa ferramenta poderosa para fazer crescer as suas vendas online!

Boa leitura!

O Que É o Google Shopping?

Google Shopping é um dos inúmeros serviços do Google, voltado para empresas. Nele, é possível criar uma espécie de vitrine, diretamente na ferramenta de busca.

Isso significa que se você busca por “camiseta branca”, por exemplo, o Google poderá apresentar uma vitrine de anúncios de camiseta branca, com os preços.

Uma espécie de Buscapé, com a vantagem de estar integrado diretamente à pesquisa realizada pelo usuário.

Além desse modelo de exibição, o Google Shopping possui sua página, como um marketplace.

Nela, o usuário pode buscar o produto que deseja de acordo com a categoria, marca ou através do campo de busca, digitando uma busca mais específica.

Em 2017 foi um ano incrível para este serviço. E 2018 tende a ser ainda mais!

Isso significa que se você tem um e-commerce ou produtos que possam ser comprados pela internet, seja como for, e ainda não investe em Google Shopping, é melhor começar a incluí-lo em seu planejamento hoje mesmo!

Para garantir que este ano seja, realmente, o melhor ano não só para o Google Shopping, mas para a sua empresa, é bom que você guarde bem todas as dicas deste artigo.

A Estrutura da Campanha é Tudo!

John Wanamaker, um americano considerado, muitas vezes, pioneiro no marketing, tem uma frase ótima:

“Metade do dinheiro que eu gasto com publicidade é dinheiro perdido;

O problema é que eu não sei qual metade”.

Em tempos em que só se fala de marketing digital, este é um erro que não pode acontecer 2x.

No que se refere ao Google Shopping, a capacidade de identificar o desperdício de orçamento está diretamente ligado à estrutura (ou a integridade dela) da sua campanha.

Você precisa ser capaz de identificar, fácil e rapidamente, o produto ou grupos de produto que estão, apenas, jogando seu dinheiro no lixo.

Por isso, é muito importante que você cuide da estrutura da sua campanha, na hora de fazer as divisões.

Como é comum falar no âmbito da moda e do design de interiores, “menos é mais”. E aqui, essa regra é válida.

Escolha o simples, divida suas campanhas mobile, separando-as das demais, e não exagere nas subdivisões das categorias dos seus produtos.

As outras dicas, vêm a seguir.

Como Funciona e Como Anunciar Através de uma Campanha no Google Shopping

Para ficar mais claro o funcionamento do Google Shopping, vá até o Google e digite “camiseta masculina”.

Perceba que os resultados da vitrine do Google Shopping aparece, inclusive, antes mesmo dos anúncios pagos!

O formato é bastante chamativo: já traz foto, título, preço e o nome da loja que está anunciando o produto.

Sem dúvida, este modelo tem muito mais força na hora do usuário optar por clicar em algum resultado.

Se desejar, ele ainda pode abrir a página específica do Google Shopping para esta busca, e ver mais opções de, neste exemplo, camisetas masculinas.

Ao fazer isso, ele poderá utilizar o menu lateral para filtrar os resultados conforme inúmeras opções, como preço, cor, estilo, tamanho, etc.

Por isso, é muito importante que, na hora de cadastrar os seus produtos, você forneça o máximo de informações possíveis sobre ele.

São esses atributos que irão fazer com que o seu produto apareça ou não no resultado da busca – e não mais a palavra-chave.

Alguns exemplos de informações que serão atribuídas ao seu produto, auxiliando para criar uma correspondência mais próxima às pesquisas realizadas pelos usuários, são:

  • Identificadores exclusivos dos produtos
  • Nome do produto
  • Descrição
  • URL de destino da loja
  • Disponibilidade de estoque
  • Preços ou preços promocionais (se houverem)
  • Formas de pagamento
  • Tamanhos disponíveis
  • Categoria do produto
  • Marca

Para fazer parte do Google Shopping você deve, primeiro, criar uma conta no Google Merchant Center. Após, deverá integrá-la com sua conta AdWords. É através dela que você irá configurar sua campanha, definir o seu orçamento e os valores dos lances.

Agora que você já sabe por onde começar, vamos ao nosso passo a passo tradicional para garantir que você crie uma campanha de sucesso!

#1 Determine Um Objetivo

Começando pelo começo, não é mesmo?

Para qualquer estratégia que você vá implementar no seu planejamento de marketing, você precisa de um objetivo.

Ele é essencial para que você possa tomar as próximas decisões de uma forma mais assertiva.

É o seu objetivo que vai ditar o quão agressivo você poderá ou deverá ser na sua abordagem, lance, promoção e etc.

Volume do Lucro

Nesta etapa, você precisa ter em mente qual o seu volume de lucro. Ele será uma das peças chave para que você possa, depois, calcular o seu lance máximo.

Para determinar o volume do lucro, você pode subtrair do seu CMV (custo da mercadoria vendida) o custo de produção. O resultado é a sua margem de lucro.

Crie uma meta de lucro a ser obtida com a estratégia do Google Shopping. É uma boa forma de avaliar o rendimento da campanha.

Receita ou ROAS

Determine qual será o seu KPI primário. Você irá mensurar o sucesso da sua estratégia através da receita obtida, ou seja, do valor total das vendas efetivadas ou com o cálculo do ROAS?

ROAS é o retorno sobre o investimento publicitário. Custos administrativos não entram nessa conta, e por isso ele dá uma visão real sobre o retorno de uma determinada campanha.

A conta é fácil: receita obtida / investimento no Google Shopping x 100 (para ter o valor em percentual).

Conversões ou CPC

Você poderá definir se o pagamento da sua campanha será por clique (CPC) ou por conversão (CPA).

Ou seja: você paga um valor de lance mais baixo por clique, independente dele gerar ou não uma venda ou você decide pagar um lance maior, mas que só será cobrado caso o usuário efetive a compra.

O único detalhe no caso do CPA é que ele não está disponível imediatamente. O Google AdWords precisa ter um histórico da sua conta para que, assim, ele possa calcular um valor de CPA adequado.

#2 Determinando o Máximo de Investimento Por Clique

No Google AdWords você pode oferecer lances mínimos e máximos para o clique do usuário. São esses lances que irão determinar, por exemplo, se você aparecerá ou não em uma determinada busca.

É como um leilão: dependendo da concorrência e dos valores médios de lances, você pode não ter resultados se não se adequar.

Vou ensinar, agora, uma conta básica para cálculo do seu lance, que poderá servir como ponto de partida.

Com sua campanha em andamento, ficará mais fácil avaliar e ajustar o que for necessário.

Analisando a Sua Taxa de Conversão

Se você já tem o seu site no ar, é possível que você já tenha conhecimento da sua taxa média de conversão.

A taxa de conversão é o percentual de pessoas que efetivamente compraram o produto que visitaram.

Para calcular, basta dividir o número de conversões (vendas realizadas) pelo número de visitantes, e multiplicar por 100, para ter o número em percentual.

Claro que, para isso, sua empresa já precisa existir. Se você está começando o seu negócio agora, você pode utilizar um valor médio de conversão, conforme o seu segmento.

Como base inicial, é uma boa saída, mas não esqueça de acompanhar e atualizar esse valor assim que o seu site começar a funcionar, ok?

A taxa de conversão é uma métrica que deve ser acompanhada constantemente.

Determinando o Valor Necessário a Ser Gasto

Agora, a parte prática: você tem um lucro e uma receita desejada, e conhece sua taxa de conversão.

Assim, você pode calcular o seu lance máximo com a conta a seguir:

Lucro x Taxa de Conversão = Lance Máximo

Isso significa que, em hipótese alguma, você deve oferecer um lance maior do que o obtido nesse resultado acima.

Mas também não quer dizer que você precisa, obrigatoriamente, utilizar este valor. Para um lance inicial, você pode oferecer entre 40% e 75% deste valor. Ou seja:

CPC Máximo x (um valor entre 0,4 e 0,75) = Lance Inicial

#3 Configurando a Estratégia de Investimento (Bids)

O Google AdWords oferece diferentes estratégias de lances, que dependerá muito do seu objetivo. No caso do Google Shopping, o objetivo principal é, sem dúvida, a venda.

Assim, você deve focar uma estratégia que incremente suas conversões.

É o caso do AdWords Lances Inteligentes. Eles são chamados de “lances durante o leilão”.

Esse subconjunto de estratégias de lances automáticos usa o aprendizado da máquina com o intuito de otimizar as conversões em cada um dos leilões.

Target ROAS

Com essa estratégia, você define um retorno sobre o investimento desejado, e os lances automáticos irão otimizar suas campanhas para que você atinja esse valor.

Cuidado na hora de definir o ROAS desejado. Considere a média histórica desse valor, se você tiver, para que o número de conversões não sofra um impacto negativo.

Máximo de Cliques

Esta estratégia de Lances Automáticos é a forma mais fácil de definir lances para gerar cliques.

Você define um orçamento diário e o sistema do Google AdWords gerencia os lances automaticamente, de modo a gerar o maior número de cliques possível para o seu orçamento.

Enhanced CPC

O custo por clique otimizado é uma forma de ajustar automaticamente os lances que você definiu de forma manual, buscando otimizar suas conversões.

Diferente do Roas Target, que ajusta o lance de acordo com o retorno sobre o investimento definido, o ECPC considera o seu limite de lance máximo para o clique.

#4 Definindo os Seus Novos KPIs

A partir do momento que você tem estabelecido seu lance mínimo e máximo, e tendo definido a estratégia de investimento, é hora de rever seus KPIs.

Sempre, em período de planejamento, construímos nossos KPIs baseados no histórico conhecido.

Uma das grandes vantagens de ferramentas como o Google AdWords é que conseguimos ter insights sobre o histórico do mercado, tanto em termos de conversão quanto de custo.

Com informações como esta em mãos, você pode repensar suas metas iniciais. É muito provável, inclusive, que você seja capaz de estabelecer metas mais ousadas – afinal, você tem controle total sobre a otimização do seu orçamento.

Defina metas de conversão, tráfego, carrinho abandonado e ticket médio, por exemplo. São quatro métricas bastante relevantes para o seu negócio.

Você também pode estabelecer, como KPI, um CPC ou CPA mais baixo que o planejado inicialmente. Ou, ainda, um aumento progressivo de CTR.

Não se anime muito, porém. Acho importante colocarmos metas agressivas, pois é um motivador para nos tirar da zona de conforto. Por outro lado, elas não podem nos desanimar.

Então, busque KPIs realizáveis – contanto que não seja, assim, tão fácil.

Como Alcançar os Novos KPIs Estabelecidos

Claro que definir novos KPIs, apenas, não mudará muita coisa. Você precisa estabelecer metas agressivas para, com o monitoramento da sua campanha, você saiba para onde ir com suas otimizações.

Isso significa que você precisa, sim, olhar diariamente para seus números. Identificar gargalos e oportunidades, evoluir constantemente o seu site e seu conteúdo.

Você pode e deve realizar testes a/b, buscando melhorar os seus resultados.

E, claro, invista em entender o comportamento do seu usuário. Empatia, no marketing, é fundamental para que você possa responder às expectativas do seu público e, assim, garantir o cliente.

#5 Mensurando o Impacto da Sua Campanha no Google Shopping

Depois que sua campanha estiver rodando, você precisa monitorar o seu desempenho.

Dessa forma, você poderá ajustar o que for necessário, buscando melhores resultados.

O Google Shopping oferece relatórios completos com diferentes variáveis, para sua análise.

A guia grupos de produtos oferece informações sobre o desempenho dos grupos segmentados nas campanhas. Você terá acesso a dados como:

  • CPC máximo
  • Número de impressões
  • Taxa de cliques
  • Métricas de conversão
  • Referências de CPC e CTR

Além disso, você pode adicionar segmentos ao relatório, podendo observar o desempenho por dia, tipo de clique ou dispositivo.

Utilizando a guia Produtos, você tem as mesmas informações anteriores, e poderá cruzar ou combinar com todas as variáveis cadastradas no produto.

A guia Dimensões fornece relatórios de desempenho para qualquer dimensão selecionada, como tipo de produto, canal, CTR ou CPC.

Além destes relatórios, que irão lhe oferecer uma visão geral das suas campanhas, você também conta com relatório de insights sobre os leilões, e o simulador de lances.

O relatório de insights sobre leilões compara o seu desempenho com outros anunciantes que participam dos mesmos leilões que você.

Essas informações podem lhe ajudar a tomar decisões estratégicas para a escolha de lances e orçamentos, pois você saberá exatamente onde sua campanha tem um bom desempenho e onde está perdendo oportunidades.

Já o simulador de lances é uma boa forma de testar como a variação do seu lance poderia afetar o desempenho da sua campanha, sem comprometê-lo.

Com ele, você tem acesso a estimativas de como seriam os seus resultados de publicidade nos sete dias anteriores à simulação, caso tivesse definido lances diferentes.

Benefícios do Google Shopping Para a Sua Empresa

Para esclarecer o quanto o Google Shopping pode ajudar a sua empresa a aumentar suas vendas, separei em tópicos os principais benefícios desse serviço.

Dessa forma, você entenderá todos os pontos em que sua estratégia de marketing pode ganhar com o uso do Google Shopping.

Maior Tráfego Para a Loja Virtual

Como você já viu, o anúncio do Google Shopping aparece em primeiro lugar nos resultados. Naturalmente, portanto, é ele quem atrai grande parte do público, conquistando mais cliques.

Não somente pela posição, mas pelos atrativos: o usuário tem mais informações relevantes sobre o produto, e poderá se convencer mais rapidamente.

Com isso, você tende a aumentar o tráfego do seu site, o que poderá impactar em todas as suas métricas e KPI’s, já que o aumento do tráfego gera mais oportunidades de negócio.

Leads Qualificados

Os usuários que clicam no anúncio do Google Shopping demonstra que já têm intenção de compra. Ou seja, eles estão num estágio mais avançado do funil de vendas.

Sendo assim, ao oferecer todas as informações que esse usuário necessita, como características do produto, preço e prazo de entrega, ele poderá decidir mais rapidamente se este produto atende ou não suas necessidades.

Mais Conversões

Como dito anteriormente, o usuário que clicar no anúncio do Google Shopping já tem uma forte intenção de compra.

Possivelmente, ele já viu algumas opções, já analisou os prós e contras e já tem suas preferências em mente.

Com isso, o Google Shopping apresentará esses produtos e ele poderá efetivar a compra rapidamente, pois a decisão já foi tomada.

Neste ponto, é importante considerar os motivos que poderão fazê-lo desistir no meio do caminho.

Preste atenção na taxa de conversão, pois se o usuário clicou no seu início e não concluiu o pedido, você poderá ter que efetuar algumas alterações ou melhorias no seu site ou no seu carrinho.

Monitoramento da Performance dos Produtos

E claro, o benefício maior de toda e qualquer estratégia de marketing digital: a possibilidade de monitoramento.

O Google Shopping fornece relatórios de análise de desempenho, extremamente detalhados, que serão fundamentais para que você aprimore suas campanhas e distribua sua verba de forma a otimizar seus resultados sempre mais!

Todas as variáveis do produto poderão servir como filtro para análise. Além disso, você pode ter informações de performance dos produtos concorrentes, possibilitando realizar comparativos de mercado.

Já conseguiu imaginar tudo que você pode ganhar com isso?

Reduzir o desperdício, direcionando sua verba para aqueles produtos que convertem e aumentar sua competitividade, otimizar suas campanhas para vender sempre mais e entender o seu mercado e seu público-alvo e muito mais!

Dicas Para Você Utilizar nas Suas Campanhas do Google Shopping

Agora você já entendeu os benefícios de uma campanha no Google Shopping e aprendeu tudo que é preciso considerar para planejar a sua.

Para incentivar que você comece a investir nessa estratégia e reduzir potenciais riscos de uma decepção, vou deixar algumas dicas essenciais para uma campanha de sucesso.

Ainda assim, no marketing digital tudo é tentativa e erro. Você vai, inevitavelmente, investir em algo que não vai dar resultados. O importante, porém, é fazer isso rápido e por pouco tempo.

E é justamente para isso que esses artigos e dicas servem. Com eles, você tem um norte para arriscar de uma forma um pouquinho mais segura.

Mas arrisque! Aprenda com os erros e reverta-os em oportunidades.

Tenha Cautela Com os Seus Bids

O bid é o lance que você oferece para que seu anúncio apareça em uma determinada busca.

Ele é muito importante pois é o seu custo efetivo. Ou seja, é esse valor definido que você irá pagar por um clique ou uma conversão.

E é com ele, também, que você compete em um leilão.

Portanto, é preciso ter cuidado. Um bid muito alto, sem um cálculo apropriado, poderá consumir toda sua margem de lucro. Um bid baixo, apesar de não gerar resultado nenhum, também não gera grandes prejuízos.

Então, não tem porque começar com lances muito altos. É mais fácil – e menos traumático – ajustar um lance mínimo, aumentando conforme o desempenho da sua campanha, do que o contrário.

Não Gaste Dinheiro Gerando Cliques Que Não São Relacionados ao Seu Negócio

Apesar do Google Shopping não considerar a palavra-chave para apresentar seu anúncio – ele é escolhido baseado nos atributos cadastrados no produto -, você pode excluir potenciais desperdícios de verba.

Isso significa que você pode segmentar aqueles usuários que não tenham intenção de compra, negativando palavras-chave que seriam buscadas por eles.

Além claro, de outras palavras-chave que não estejam relacionadas ao seu negócio mas que, por algum motivo, possam ser confundidas com o seu produto; ou, ainda, palavras-chaves negativas, como “camiseta péssima qualidade”, por exemplo.

Exclua as Palavras-Chave da Campanha

Para excluir as palavras-chave da sua campanha, você deve negativá-las. No Google AdWords, você tem a opção de incluir diferentes palavras-chave como negativas, em quaisquer campanha.

Assim, toda vez que o usuário buscar por um termo que contenha a palavra-chave negativa, o seu anúncio não irá aparecer.

Com isso, você poderá economizar um tanto de sua verba, que corria o risco de ser consumida por usuários pouco qualificados.

Otimize a Descrição dos Seus Produtos

Como já mencionei, os atributos relacionados ao seu produto irão definir se ele é ou não relevante para a pesquisa do usuário.

Por isso, quanto mais informações você fornecer, melhor.

E a descrição do produto é um dos itens principais. Isso porque é a sua chance de vendê-lo, efetivamente, valorizando suas características e diferenciais.

Aproveite este espaço para criar um texto interessante e otimizado!

Otimize o Conteúdo Para Dispositivos Móveis

Nem preciso falar que o mobile é realidade, e cada vez mais o Google vai dar preferência para os sites amigáveis aos dispositivos móveis, não é mesmo?

Inclusive, prepare-se, porque o ano de 2018 promete ser de mudanças no ranqueamento do Google, considerando os sites mobile e não mais os desktop.

Então, ter um conteúdo otimizado para o celular não é nem dica, mais. É regra, ok?

Utilize Imagens Para Se Destacar

Uma das grandes vantagens do Google Shopping é o apelo visual que este formato de anúncio tem, em comparação com os links patrocinados, por exemplo.

No Google Shopping aparece foto do produto pesquisado, além de outras informações relevantes para o público de fundo de funil.

Por isso, não faz o menor sentido você investir na vitrine online mais poderosa da internet, e não colocar a foto do seu produto. Certo?

É como se você fizesse a vitrine de uma loja de roupas, por exemplo, com manequins vazias segurando um cartaz descritivo.

No shopping pode até ser que chamasse atenção, já que é totalmente diferente do esperado – inclusive, se alguém resolver fazer o teste e tiver um viral, conta aqui depois!

Mas para o Google Shopping, em que o grande trunfo é uma foto de qualidade, deixar seus produtos sem foto é jogar dinheiro fora.

Entenda o Algoritmo do Google

Para que você consiga otimizar seus anúncios cada vez mais, você precisa entender como funciona o algoritmo do Google para a seleção dos produtos relevantes.

É essencial que você conheça esse funcionamento. Caso contrário, serão apenas tiros no escuro.

A partir do momento em que fica claro, para você, que o Google vai listar os resultados que melhor atendam à necessidade do usuário, será mais fácil perceber potenciais melhorias, seja de conteúdo, seja de segmentação ou lance, seja de tecnologia.

Por isso, fique atento e procure sempre estudar as mudanças apresentadas – elas acontecem com uma frequência absurda, mas nem sempre o impacto é tão grande. É, sim, possível se manter atualizado.

Utilize o Limite de 5.000 Caracteres

O Google Merchant Center permite que você cadastre uma descrição bastante completa para o seu produto.

Esta descrição pode ter, no máximo, 5.000 caracteres.

É um bom espaço para você escrever um texto publicitário capaz de convencer o usuário a clicar no seu anúncio.

Procure utilizar todo o limite: além de permitir que você transmita mais informações relevantes sobre o seu produto, irá auxiliar para que o Google apresente seu produto mais vezes.

Uma Boa Copy é Imprescindível Para o Sucesso

Assim como nas estratégias de marketing de conteúdo e inbound marketing, uma boa redação é essencial para atrair o usuário.

Aproveite todos os locais de texto para escrever títulos, descrições e botões capazes de chamar a atenção. É uma oportunidade de se destacar no meio de tantos anúncios semelhantes.

Conclusão

Como vimos, o Google Shopping tem tido uma relevância muito significativa para as empresas com operações comerciais online, especialmente lojas e-commerce.

Isso porque é uma oportunidade de aparecer de forma destacada, com mais informações do que um anúncio patrocinado ou um link orgânico permitiria, e antes de todos esses outros resultados!

O Google Shopping também oferece relatórios essenciais para o seu entendimento sobre a performance da campanha, e o seu desempenho em relação à concorrência.

São informações estratégicas de extrema importância para que você otimize sua campanha, gerando resultados cada vez melhores.

O Google Shopping pode ser aproveitado para diferentes objetivos, e você tem inúmeros benefícios com o seu uso.

Agora que você já entendeu o potencial desse serviço Google, deixe um comentário dizendo se você pretende criar uma campanha no Google Shopping.

Se você já tem produtos cadastrados no Google Shopping, conte como está sendo o desempenho. Aumentou suas vendas?

Você acompanha diariamente os custos de clique e taxas de conversão, para otimizar sua campanha?

Eu acredito muito no potencial dessa estratégia para 2018, e tenho certeza que as lojas online que investirem nela, terão muito a ganhar. Portanto, não perca tempo e comece logo esse planejamento!

 

Fonte: NeilPatel

Read More

05 jul Qual é a importância de fazer boas descrições de produtos no e-commerce?

Criar um e-commerce de alto desempenho não é uma tarefa simples. Muitos pontos devem ser analisados para que o seu negócio ganhe destaque e supere a concorrência. A construção de um ambiente virtual que seja intuitivo e que gere uma boa experiência ao usuário é um desses pontos fundamentais.

Nesse aspecto, a descrição do produto deve ser feita de maneira bastante estratégica, pois influencia não só no momento da compra, mas também na divulgação da empresa e alcance das ações.

Então, para que você tenha um bom conhecimento do assunto, criamos este post mostrando a importância de uma boa descrição e como criá-la. Confira!

Vantagens de uma boa descrição do produto

Facilita o processo de venda

A venda na internet apresenta vários benefícios, tanto para o empreendedor como ao cliente. Porém, um ponto sempre será limitado: o consumidor não consegue testar ou visualizar o produto real antes da compra. Por isso, é necessário criar uma descrição completa, que tire todas as dúvidas.

Se o potencial cliente não encontrar todas as informações que precisa, ele pode não confiar no sucesso daquela aquisição, abandonando o site. Por isso, se a descrição do produto abranger todos os pontos necessários, o processo de venda é bastante otimizado.

Reduz as solicitações ao atendimento

Imagine que um potencial cliente está interessado em um determinado produto. Fez uma pesquisa na internet e encontrou a sua empresa como uma possibilidade. Ele visualizou um produto e está inclinado a comprá-lo. Porém, a descrição não era completa, deixando questões em aberto. O que ele faz? Entra em contato com um de seus vendedores ou simplesmente busca uma outra opção no mercado.

Menos mal se ele usar um dos canais de comunicação para tirar a dúvida, pois ainda é uma situação que pode ser convertida em venda. Porém, imagine isso em um grande volume, com perguntas básicas que poderiam ser respondidas com uma melhor descrição do produto.

Por isso, esse trabalho ajuda o time de atendimento a reduzir as solicitações mais simples e focar nas questões que realmente necessitam de um maior esforço.

Conquista um melhor posicionamento na busca orgânica

Agora, vamos falar de um ponto crucial na descrição do produto: a conquista de um melhor posicionamento na busca orgânica. O Google, assim como outros buscadores, tem o objetivo de indicar as páginas mais relevantes aos usuários quando eles pesquisam algum termo na internet.

Para isso, os mecanismos fazem uma varredura na web procurando as páginas com maior sinergia, que podem solucionar as dúvidas. Para aumentar a encontrabilidade das páginas, as técnicas de SEO (Search Engine Optimization) devem ser aplicadas.

Elas consistem em uma organização estratégica da página, seja utilizando melhor as palavras-chave, otimizando as imagens, criando links internos e externos para outros conteúdos, entre outros.

Dicas para criar a descrição ideal

Agora que já viu a grande importância em criar boas descrições de produtos, vamos mostrar como fazer isso na prática. Acompanhe!

Utilize a linguagem do seu público-alvo

Quem é o seu público-alvo? Quais são as características das pessoas que entram nas suas páginas em busca dos produtos? Esses dados são fundamentais para construir toda a sua descrição do produto.

O tipo de linguagem, por exemplo, faz parte do sucesso da comunicação, em transmitir uma mensagem e ela ser compreendida da forma exata pelo seu alvo.

Se o seu público-alvo é mais jovem, você pode utilizar uma linguagem mais informal, adaptada ao universo do cliente. Já se o perfil é mais técnico, a descrição deve seguir esse padrão.

Informe todas as características essenciais do produto

A descrição completa do produto é muito importante para que não reste nenhuma dúvida que impossibilite a compra. Para isso, seja bem abrangente, explicando do que o objeto é feito, o material, dados de peso, tamanho, garantia, validade etc. Pense em todos os dados que possam ser questionados.

É interessante que você realce os diferenciais daquele item, mostrando os motivos que os clientes possuem para escolher aquela opção.

Ensine como utilizar a solução e os benefícios

Além dos diferenciais do seu produto você deve mostrar ao público como utilizá-lo da melhor forma. Por exemplo, se o item é um tênis de corrida, aponte as melhores dicas de conservação, se é necessário usar uma meia específica para um melhor encaixe, entre outros.

Você deve relacionar essas dicas com os benefícios gerados. Seguindo esse exemplo, pode mostrar que um melhor sistema de amortecimento reduz o impacto nas articulações, ou então falar do design, pensado justamente para a prática desse esporte.

Aplique as técnicas de SEO

Como já dissemos neste artigo, aplicar as técnicas de SEO na descrição do produto é necessário para atrair novos consumidores e colocar a sua empresa em destaque no mercado. Para isso, crie um texto bem explicativo, segmentado por tópicos. Essa divisão torna a leitura mais fluida e fácil.

Além disso, faça uma boa pesquisa de palavras-chave, aqueles termos relacionados ao seu produto que são mais buscados pelo público. Utilize essas palavras ao longo do texto. O ideal é que eles apareçam pelo menos uma vez na introdução, conclusão, desenvolvimento e, se possível, em um intertítulo, que são os tópicos.

As imagens também devem receber muita atenção. Os buscadores dão menor relevância para imagens que não possuem descrição de texto. Então, utilize os campos de texto alternativo para evidenciar o que se trata a imagem, além do nome da foto. Tenha atenção com o tamanho do arquivo para não prejudicar o carregamento da página.

Além disso, utilize links para outras páginas relevantes dentro do seu site, seja um conteúdo ou outro produto complementar. Essa técnica é bastante recompensada pelos mecanismos de busca.

Monitore as páginas mais visitadas

Por fim, sempre faça uma avaliação das páginas que são mais acessadas e quanto tempo os visitantes permanecem visualizando os produtos. Isso pode lhe ajudar a perceber as melhores práticas e sempre otimizar a descrição e demais itens, focando em gerar grandes resultados.

Portanto, como vimos em nosso artigo, uma boa descrição do produto é metade do caminho para o sucesso nas vendas do seu e-commerce! Esse trabalho agrega diversos benefícios, como aceleração no processo de venda, redução de demanda no atendimento e melhor posicionamento na busca orgânica.

Para alcançar esses resultados, tenha atenção com cada dica que fornecemos e aplique em seu negócio!

Read More

05 jul Google Shopping – Metas e Concorrência

Assim como na maioria das empresas, ter o mapeamento adequado dos processos é crucial para avaliar a performance. Se você quiser pular direto para a etapa “como fazer” vá em frente, mas saiba que há um passo inicial antes de tudo. Você não vai querer estar em um canal em que o investimento não tem retorno, certo? A preparação adequada
e uma estratégia sólida são tão importantes quanto o trabalho de configuração e gerenciamento.

Primeiro, vamos falar dessa preparação que vai deixá-lo alguns passos à frente dos competidores. Nós vamos mergulhar em três diferentes áreas: metas, palavras-chave e concorrência.

METAS

Vamos começar com as metas, uma vez que elas precisam guiar tudo o que você fizer a partir daqui. É a meta que vai mantê-lo no caminho certo enquanto dá a liberdade e criatividade que você precisa para resolver problemas e alcançar aquilo que foi planejado inicialmente.

QUAL É A SUA META DE CUSTO POR AQUISIÇÃO (CPA)?

Quer pagar quanto? Se o ticket médio da sua loja é de R$ 100 e sua margem de lucro é de 35%, você estaria disposto a gastar os R$ 35 do seu lucro da primeira compra para fechar um negócio? Isso pode ser muito ou pouco, se considerar que investiria até mais para reter clientes e aumentar o tempo de vida deles. É você quem determina qual é o valor que se sente confortável para atingir a maior quantidade de leads qualificados possíveis.

CATIVAR UM CLIENTE OU FAZER UMA VENDA?

Existem dois tipos de vendedores: aqueles que querem gerar vendas e os que querem gerar clientes. Os dois tipos conseguem fazer dinheiro, mas só aquele que é preocupado em reter os seus consumidores consegue criar um negócio e uma marca duradouros. É importante considerar qual é o seu estilo antes de iniciar o processo.

Particularmente, é interessante estimular a recompra e cativar um consumidor, uma vez que o custo de aquisição já não existe na recompra e as chances de ele in- dicar o seu produto são mais altas. A parte mais fascinante do Google Shopping é que você consegue transformar leads em vendas ainda no primeiro clique. Ainda assim, a ferramenta vai funcionar tanto para quem quer fazer vendas pontuais quanto para vendedores que queiram conquistar clientes. É a sua meta que vai ditar o quão “agressivo” você pode ser nos seus lances e na sua abordagem.

KEYWORDS E PRODUTOS MAIS VENDIDOS

O que você quer vender mais? Embora a sua resposta possa ser “qualquer coisa que esteja no meu site”, é melhor você pensar estrategicamente em um esforço para maximizar as vendas.

Produtos de entrada: Talvez exista uma certa linha de produtos que não são os seus carros-chefe, mas geralmente direcionam a primeira compra do seu site. Esses produtos podem ser adquiridos frequentemente pela necessida- de e preço baixo ou precisam ser adquiridos como complementares a uma compra maior.

Consumíveis: Assim como uma empresa que vende navalhas com a motivação de vender lâminas ou um vendedor de suplementos que quer te enganchar nos seus produtos, a estratégia em comum desses tipos de empresa é investir em produtos que as pessoas precisam recomprar sempre.

Preço alto ou margem alta: Nem é preciso dizer que aqueles produtos nos quais você tem maiores ganhos são aqueles em que deve investir mais tempo e esforço para vender em campanhas do Google Shopping, certo?

Produtos com concorrência baixa e boa demanda: É difícil acontecer. Mas, se esse é o seu caso, tire o maior proveito possível da situação para se manter na liderança.

COMO COLOCAR SEUS PRODUTOS NO RADAR DOS POTENCIAIS CLIENTES

ENTENDENDO A INTENÇÃO DE COMPRA

O tamanho e o conteúdo de uma expressão inserida nos mecanismos de busca podem dizer muito sobre as intenções de quem a fez. Longas e detalhadas sen- tenças podem revelar uma intenção de compra de qualidade mais alta. Alguém que procura “Nike” pode estar só matando o tempo, comprando ou fazendo uma pesquisa acadêmica – ninguém sabe, de fato. Mas alguém que procura “Tênis Nike Shox 8 molas”

definitivamente está pronto para a compra.

USANDO AS FERRAMENTAS CERTAS

Quer saber o que os seus consumidores realmente estão procurando? Aqui vão quatro boas ferramentas para descobrir:

Google Keyword Planner: Ferramenta gratuita do Google, disponível no site do AdWords, dentro da aba de ferramentas. Aqui você consegue colocar algu- mas ideias e o Google vai te dar uma sequência de sugestões de palavras-chave e volume de busca do que você pesquisou, além de uma média de CPC para anunciar na plataforma. Infelizmente, nem o volume de buscas nem o CPC são exatos, mas podem indicar uma média razoável.

SEMrush: Para olhar os dados contidos no AdWords e Analytics, o SEMrush vai fornecer insights detalhados sobre uma keyword ou domínio específico, com planos gratuitos e pagos. Você pode usá-lo para pesquisar palavras-chave ou para pesquisar a concorrência. É uma ferramenta muito útil para “cavar” termos de pesquisa e encontrar insights mais rápido e em um formato mais amigável do que no

Google Keyword Planner.

Keywordtool.io: Essa ferramenta fornece palavras-chave relacionadas para usar com aquelas já definidas. Esses termos relacionados são tirados daquela sugestão de pesquisa do Google que preenche os formulários por você, sabe? Isso pode ser útil para escrever a descrição no seu feed ou página. Usar uma das palavras relacionadas que parecem relevantes para o que você está vendendo pode ajudar a mostrar uma variedade maior de consultas de pesquisa.

CENÁRIO COMPETITIVO

Saiba quem é a sua concorrência. Nunca comece a investir em anúncios sem sentir um pouco como o seu concorrente trabalha e fazer o levantamento dos pontos fortes e fracos para encontrar um diferencial.

BUSCAS MANUAIS DO GOOGLE

Primeiro, procure as palavras-chave que você deseja usar no Google. Veja quais são os destaques nos resultados do Google Shopping. Tome nota dos produtos da concorrência, preços, imagens e lojas virtuais que aparecem nos resultados. Procure por produtos que retornem múltiplos resultados do mesmo vendedor. Isso pode ser um sinal de que os anúncios dele estão bem otimizados ou pode signi car que ele não tem variedade, o que deixa uma oportunidade para a sua loja.

Read More