13 ago O redesign do Gmail está acabando com suas taxas de aberturas?

Caso você não tenha reparado (e se você não reparou, como é possível que você trabalhe com e-mail marketing?), o serviço Gmail teve uma transformação no layout da caixa de entrada, tanto no aplicativo, quanto na versão baseada no navegador. Agora os emails são categorizados automaticamente através de abas na parte superior, para ajudar os usuários do Gmail a filtrar o lixo, das informações que eles realmente querem receber.

Gmail-Tabbed-Browsing_thumb

O problema é, como ter certeza que esse novo sistema não está destruindo suas taxas de abertura? E se está, o que pode ser feito para remediar isso?

Primeiramente, o que mudou?

Bom, agora o Gmail foi dividido em três abas principais: Primary, Social e Promotions. Os usuários também podem então criar suas próprias abas e configurar o que irá para cada uma delas. O funcionamento é muito bom e certamente ajuda os usuários do Gmail a tirarem o máximo da suas caixas de entrada,.

Naturalmente, isso é bastante irritante para quem passou uma era desenvolvendo e criando conteúdo (relevante) para que seus clientes vejam. Ao invés de estar na aba Primary, junto com os e-mail que os usuários se importam em receber, o Gmail jogou todo esse conteúdo junto com outras propagandas e spams, na aba de Promotions.

Nada divertido, certo?

Quais são as consequências?

Boa pergunta! Bom, o Mailchimp realizou uma rápida pesquisa na sua base de dados para entender como o Gmail afetou as taxas de abertura de seus e-mails.

Observando o ano passado, sendo que metade dos e-mails são enviados para usuários do Gmail, o Mailchimp analisou as taxas de abertura – que equivalem a 12.5 e-mails e 2 bilhões de aberturas únicas. Veja o status:

Mailchimp-Inbox-stats_thumb

Por um período de tempo, após o lançamento da nova interface do Gmail, as taxas de abertura subiram. Provavelmente isso ocorreu pela curiosidade das pessoas explorando e brincando com suas novas caixas de entrada.

Levando isso em conta, aparentemente, após esse ‘evento’, as taxas de abertura caíram notavelmente – mas não significantemente.

Antes da revolução organizacional do Gmail, a taxa de abertura mais baixa do Mailchimp foi de 13%. Após a mudança, as taxas de abertura se manteram abaixo de 13% durante três semanas.

Não é motivo de segurança nacional, mas sim um sinal de que uma mudança pode estar chegando.

Então, qual é a solução?

Se houvesse um resposta simples, eu colocaria ela no topo do artigo. Mas infelizmente, não há – ainda. A chave para sair disso é entender que o Gmail mudou o jogo. Ao invés de encorajar seus leitores a abrirem os e-mails, você deve deixá-los interessados no que você tem a dizer, para que eles sintam que vale a pena mover seus e-mails para fora da aba Promotions.

Muitos usuários provavelmente irão simplesmente deletar a aba de promoções, o que significa que todos esse e-mails irão para a aba Primária. Mas você não pode contar apenas com isso.

A principal mensagem desse artigo é fazer com que você tenha certeza que os seus clientes estão sendo engajados propriamente, oferecendo a eles um serviço que eles adoram receber, tornando-os fiéis ao que você pretende oferecer em seguida.

Fonte: imasters

 

Read More

12 ago Infográfico explica alcance de posts no Facebook

Este estudo o significado por trás do “alcance do Facebook”. O resultado é o infográfico que você pode ver abaixo. A imagem promete esclarecer dúvidas e mostrar a maneira mais eficaz de medir a abrangência de postagens na rede social de Mark Zuckerberg.

Afinal, você sabe a diferença entre alcance viral e orgânico? E o alcance por publicação, o que o define? Entre eles, qual o mais importante?

Confira:
alcancefacebook
 
Fonte: Adnews

Read More

12 ago As redes sociais aumentam a produtividade nas PMEs?

Cerca de 50% do quadro de funcionários das empresas acreditam que ferramentas de redes sociais aumentam a produtividade do trabalho. Isso é o que mostrou uma pesquisa recente da Microsoft, conduzida pela Ipsos, com mais de mil usuários de 32 países ao redor do mundo.

Segundo o levantamento, 49% dos funcionários de pequenas e médias empresas e 45% dos colaboradores de companhias de grande porte indicaram que o uso dessas tecnologias no ambiente de trabalho tem aumentado sua produtividade pessoal. “Há uma clara demanda por ferramentas sociais corporativas em grandes empresas e PMEs. 39% dos funcionários de PMEs e 36% dos funcionários de grandes empresas disse que seria capaz de fazer o seu trabalho melhor com as ferramentas de colaboração social”, afirmou o vice-presidente corporativo do grupo global de parceiros da Microsoft, Jon Roskill, em conferência mundial da companhia.

Como as PMEs usam as ferramentas sociais

Além de soluções como intranets e serviços de mensagens instantâneas, as PMEs são mais propensas a utilizar várias ferramentas sociais externas para fins profissionais. O uso frequente desses recursos visam a comunicação com os colegas de trabalho. No entanto, em pequenos e médios negócios, os funcionários também utilizam as ferramentas de forma mais abrangente, como em tarefas que incluem a comunicação com clientes, consumidores, fornecedores e até a realização de pesquisas sobre esses públicos e seus concorrentes.

Barreiras no local de trabalho social1

Apesar do entusiasmo dos funcionários com ferramentas para redes sociais corporativas, ainda existem algumas barreiras para a adoção desse tipo de solução. Segurança foi um dos principais riscos citados na pesquisa por cerca de 71% das grandes corporações e 60% das PMEs.

“A consumerização da TI mudou a maneira fundamental por meio da qual as empresas se comunicam”, afirma Rebecca Sizelove, vice-presidente da Ipsos Public Affairs, responsável pelo estudo. “No entanto, os responsáveis pelas decisões de tecnologia continuam a exigir uma certa quantidade de informação em torno dos benefícios que tais recursos sociais podem oferecer. Com o aumento do apoio organizacional a essas ferramentas, prevemos que a produtividade e a colaboração vão continuar a crescer.”

O estudo vem comprovar a importância de empreendedores apostarem em ferramentas sociais. Os funcionários desejam tanto a rede social corporativa que estão dispostos a pagar por elas.

Fonte:Pensando Grande

Read More

12 ago Como evitar os fracassos nas operações de marketing digital?

Conheça os três principais motivos pelos quais os projetos não têm os resultados esperados e veja boas práticas e posturas para criar soluções relevantes para a sua empresa e para a sua marca.

sucesso_e_fracassoQuem nunca se deparou com uma história de fracasso em Marketing Digital? Não falo das histórias sobre falta de planejamento, erros de usabilidade ou mecânica de ações mal elaboradas. Refiro-me às situações em que há conhecimento técnico, há vontade de fazer acontecer, mas mesmo assim, não dá certo. Casos assim são mais frequentes do que se imagina e alguns fatores são comuns à todos eles. No artigo de hoje falaremos sobre os três principais motivos de fracasso na hora de colocar o digital em prática e entenderemos como escapar de todos eles!

1. Organização

Este é o inimigo número 1 das operações de marketing digital. Sem organização fica impossível definir prioridades e saber no que focar na hora de executar ações em um ambiente tão rico em ecossistemas como a web. São muitas mídias, muitas postagens, muita interação. Nesse ambiente de excessos o ideal é manter tudo à vista e gerenciar as atividades de uma maneira mais analítica e pragmática.

Outro grande erro nesse quesito é acreditar que ferramentas fazem milagre. Quem faz milagre é o hábito! De nada adianta o melhor software do mundo se ele sempre estiver desatualizado ou atas assinadas se a equipe de desenvolvimento não tiver o costume de ler esses documentos. Uma simples agenda (daquelas de papel) ou post it salvará a todos.

Cenário padrão. Você precisa confirmar um dado para que seja inserido no site da empresa. Você cobra o responsável e ele não lhe dá feedback. Alguns dias se passam. Um cliente sente falta e reclama no Facebook. Depois da falha inicia-se o “disse, não disse” e todos saem perdendo.

Se você é um desorganizado compulsivo, execute apenas uma tarefa de cada vez e use o despertador do celular para lembrar-se de rever pontos não finalizados. Outra dica é transformar e-mails em tarefas, que ficam grifadas na caixa de entrada. Se você não vive sem aplicativos e ferramentas, use e abuse de EverNote, Basecamp, Google Apps e Microsoft Project.

2. Produtividade

A produtividade é um calcanhar de Aquiles das atividades de marketing digital pelo mesmo motivo citado acima: muita coisa acontecendo, tudo ao mesmo tempo. Manter uma operação web fluindo sem sustos é um grande desafio e quem não tiver disposição ou perfil para manter esse pique pode descobrir que o marketing digital não é a sua praia. Porém, não podemos confundir o “fazer rápido” com produtividade – um atributo que faz uma relação entre “o fazer bem” e o tempo disponível.

Cenário padrão, Você foi checar um concorrente no Instagram, viu uma foto interessante, clicou na hashtag e quando percebeu se passaram 30 minutos. Esse mesmo efeito se repetiu na hora do café, quando um colega foi contar um case fantástico – que demorou outros 20 minutos. No fim do dia, pilhas de itens inacabados se acumulavam sobre sua mesa.

Sou a favor de ambientes descontraídos e com flexibilização de tempo. Não dá mais para sentar estático em uma cadeira e produzir. Novos tempos pedem novas atitudes. O problema são os falatórios sem fim, os vídeos irresistíveis do Youtube e os memes do Facebook – sempre nos colocando em tentação, a poucos cliques de distância.

A dica é: estipule uma meta e só tire os olhos disso quando terminar. Com o hábito, você será capaz de entender o período máximo que consegue se concentrar em uma tarefa e terá mais flexibilidade para fazer pausas sem perder a noção do tempo. Na hora do cafezinho vale colocar o alarme para tocar depois de 10 minutos. Faça listas no Facebook e desative as notificações para não ser dragado para dentro da rede social. Fuja das tentações como o Instagram e o WhatsApp, verdadeiros buracos negros de produtividade.

Reuniões eternas – fuja delas!

Depois de duas horas, todos começam a mexer em celulares e atualizar e-mails. Reuniões breves e objetivas são essenciais para as operações de marketing digital. Cada minuto discutindo algo já planejado é um minuto perdido na execução – que deve sempre ter como meta a “perfeição”. Horas de discussão em reuniões podem significar um erro de português no Twitter, causados pela pressa.

Dicas essenciais:

  • Tenha uma pauta e se atenha a ela;
  • Estipule um máximo de tempo por assunto. Quando argumentos se repetirem, é hora de encerrar aquele tópico;
  • Reunião boa determina com quem, quando e como algo será feito.

3. Falta de Autonomia

Um fenômeno mais comum em pequenas empresas, onde invariavelmente o dono é quem bate o martelo para tudo que será executado pelo marketing. A raiz do problema não é a centralização da decisão, que inclusive aumenta a agilidade e o acesso ao “rumo estratégico” da empresa. O problema é que muitas vezes o gosto pessoal do decisor vale mais do que o direcionamento técnico do branding que o marketing da empresa tenta construir.

Cenário padrão. A equipe de marketing pensa uma campanha de comunicação integrada, considerando os melhores canais e veículos para aquele conceito e mensagem. A agência se envolveu, pensou junto e todos consideram o resultado final excelente. Na reunião de apresentação, o diretor é categórico no feedback – “não gostei” – e toda a campanha morre na praia.

A solução aqui é o meio termo. Diretores devem confiar mais em seus profissionais e entender que nem sempre seu gosto pessoal reflete integralmente a empresa. O DNA da marca estará sim com seu fundador, mas isso não significa que a empresa e o fundador são uma coisa só. Para os profissionais de marketing, a dica é dividir mais. Foi na ânsia de querer surpreender e encantar que muitas campanhas – que tomaram tempo de planejamento e criação – tiveram seu fim antes do lançamento.

Fonte: Webinsider

 

Read More

09 ago Marketing 4D: como potencializar campanhas online

marketing4d

São quatro os elementos essenciais que precisam ser observados por qualquer empresa que queira alcançar bons resultados em iniciativas de marketing digital: a Estratégia, a Tecnologia, as Operações e as Interações. A ExactTarget, após anos de experiência atuando neste mercado, nomeou esses quatro “pilares” de “As Quatro Dimensões do Marketing Interativo”. A empresa oferece esse conjunto de preceitos como um serviço consultivo: a análise do marketing 4D é realizada em todos os potenciais clientes ExactTarget como forma de ajudá-los a norteá-los e alcançar todo o potencial do marketing cross-channel.

O grande objetivo do Marketing 4D é permitir uma abordagem holística para formular estratégias com fundações e tecnologias sólidas, além de operações que criem ações relevantes de interação com assinantes de e-mail e seguidores nas redes sociais. Uma vez que a estratégia, a tecnologia e as operações não são elementos visíveis para os consumidores, eles desempenham um papel crítico para alcançar todo o potencial dos programas de marketing interativo.

Pense nesse cenário como um iceberg: somente a parte mais alta é visível, mas sem toda a outra parte submersa o gelo simplesmente não flutuaria. Vamos então examinar cada uma dessas dimensões para entender seu papel nas iniciativas de marketing interativo.

Dimensão 1: Estratégia

A natureza inflexível da gestão das campanhas de marketing tradicionais costuma resultar em milhões de dólares perdidos, além de uma experiência ruim para o consumidor. Atualmente, milhões de interações em tempo real acontecem enquanto um único e-mail é pensado, desenvolvido e enviado.

É possível maximizar o resultado das campanhas de marketing interativas combinando capacidades de gestão com a habilidade de incorporar interações em tempo real através de mídias como e-mail, dispositivos móveis, redes sociais e sites da internet. Uma estratégia alinhada com os objetivos e funcionalidades do negócio é a melhor base para uma campanha de marketing.

Dimensão 2: Tecnologia

Fazer o melhor uso possível dos dados e dos sistemas disponíveis é importante para impulsionar às operações e interações com as campanhas. Os mais avançados programas de marketing interativo permitem uma visão unificada dos consumidores utilizando integrações e gerenciamento de dados. Ao unir dados de perfil e de sistemas CRM, web analytics, plataformas de ecommerce e qualquer outro sistema presente na infraestrutura, é possível capitalizar a tecnologia.

Dimensão 3: Operações

Máxima eficiência operacional é atualmente um pré-requisito para os times de marketing das empresas. Mas, com orçamentos restritos e pessoal limitado, como implantar e enviar as mensagens da empresa de forma eficiente?

Seja operando em um modelo de self-service ou suportada por um time de especialistas, toda empresa precisa de uma implantação completa, ou seja, fácil de entender e com automação de processos, tornando as possíveis operações mais eficientes e aumentando o tempo disponível para evoluir de forma estratégica os programas de marketing interativo.

Dimensão 4: Interações

Com uma base sólida nas outras dimensões já citadas, a empresa poderá criar, gerenciar e capitalizar interações mais relevantes com os clientes. É possível assim concentrar esforços em aumentar os ganhos durante o ciclo de vida do consumidor entregando comunicações relevantes e em tempo real.

As Quatro Dimensões do Marketing Interativo podem contribuir para um programa sofisticado de reforço da marca, conectando a companhia com clientes atuais e potenciais para alcançar um retorno sobre o investimento (ROI) sem paralelos através de uma mistura balanceada de tecnologia e serviços. Ao reconhecer custos e eficiências dos processos, aprimorar ciclos de desenvolvimento e aproveitar o poder da tecnologia cross-channel integrada, a empresa pode elevar suas iniciativas de marketing interativo a um elevado patamar.

Fonte:Adnews

Read More

08 ago Facebook – Mudanças no Feed de Notícias

O Facebook anunciou ontem algumas mudanças no algoritmo do feed de notícias (EdgeRank), ele continua o mesmo, mas exceção de alguns aprimoramentos importantes.

Mais visibilidade = Story Bumping
O algoritmo do feed de notícias foi alterado e a partir de agora o novo mecanismo permitirá que as postagens não visualizadas anteriormente fiquem no topo do feed de notícias, de acordo com sua relevância para cada usuário.

feednoticiasfacebook

O Facebook realizou um teste inicial e descobriu que com a alteração a taxa de leitura das publicações aumentou de 57% para 70%. Além disso, houve um crescimento de 5% no número de interações nas postagens dos usuários e 8% de aumento das interações das mensagens publicadas pelas páginas.

Esse novo algoritmo parece estar destinado a pessoas que visitam o Facebook com menos frequência e assim evitar a falta de atualizações importantes que foram postadas desde última vez que o usuário visitou o perfil. Provavelmente este recurso é um sinal que o Facebook está ficando preocupado com a diminuição do engajamento dos usuários, de modo que eles estão mudando a forma como funciona o feed de notícias para reter esses usuários.

Mais engajamento = Last Actor
Além disso, o Facebook também irá informa os últimos 50 usuários ou páginas que interagiram com você e proporciona a esses usuários ou marcas uma maior relevância. Com certeza as marcas vão querer estar entre os “50 mais” para ter mais engajamento nos posts visualizados pelos seus fãs.

Mais conversas em tempo real  = Chronological by Actor 
Os usuários do Facebook têm sido sempre ansiosos para ver as atualizações na ordem em que foram postados. Por causa disso, a rede social resolveu realizar ajustes cronológicos, para que os usuários vejam as mensagens dos amigo ou marcas em ordem cronológica. Este recurso é muito útil para acompanhar as atualizações ao vivo, em tempo real para um jogo de futebol, programas de TV ou similar.

Isso se encaixa com o aumento do foco do Facebook em se envolver em conversas em tempo real – a introdução de hashtags, por exemplo. Lars Backstrom, o gerente de engenharia do News Feed no Facebook, disse que essa mudança cronológica atualmente resulta em um engajamento inferior, mas o Facebook sabe disso e está aprimorando o recurso.

E o EdgeRank está morto?
O Facebook ainda não tem um nome oficial para o novo algoritmo, por isso vamos chamá-lo de “algoritmo para o feed de notícias”. Mas até o momento EdgeRank continua sendo o termo não oficial mais popular. Mas Lars Backstrom, disse também que os três fatores primários do EdgeRank – Afinidade (Affinity), Peso (Weight) e Tempo (Time Decay) ainda são peças importantes

Fonte:Wearesocial

Read More