23 abr Reveja a publicidade no seu site enquanto está em tempo

 Com o crescimento do mobile e o acesso à internet por diversos dispositivos, depender exclusivamente de pageviews, banners e links para ter retorno financeiro é algo ultrapassado. A informação está onipresente.

 A publicidade é essencial na vida das empresas, o que faz com que as corporações de mídia movimentem orçamentos gigantescos. As mídias tradicionais, como rádio, televisão, jornais e revistas dominavam esse mercado. Na década de 1990 observamos a chegada da internet e com ela uma mudança radical na forma de como a informação é consumida.

Em um primeiro momento chegaram os diretórios e os portais, depois os meios de busca, os vídeos, seguidos das redes sociais. Nos últimos dez anos olhamos os gráficos da quantidade de pessoas que entram na internet e hoje somos mais de dois bilhões, com taxas de crescimento exponenciais. Conforme estudos do eMarketer, os gastos publicitários na internet já ultrapassaram os jornais e revistas juntos e o próximo passo é ultrapassar a TV.

Tendo em vista esse crescimento, inúmeros negócios foram criados para aproveitar essa oportunidade e o aumento da audiência, que cresce a taxas de dois dígitos todos os anos. Porém, tivemos um fenômeno no último ano onde a quantidade de pageviews das principais propriedades de internet caíram ou tiveram um crescimento muito abaixo do esperado.

A tendência agora é que essa audiência comece a cair mais e mais e que todos esses modelos baseados em pageviews percam força, isto é, uma fortíssima disruptura nos modelos de negócios atuais e que estão por vir.

Por que isso ocorre? O acesso a internet está saindo do computador e os modelos de negócio que se estabeleceram devem mudar agora para não desaparecerem no futuro. Os usuários acessam o conteúdo por meio de múltiplos dispositivos com formatos diferentes e isso faz com que, mesmo com o crescimento da internet, a audiência dos sites caiam, as projeções financeiras comprometam-se e as despesas com servidores e TI aumentem. Eu chamo isso de Onipresença da Informação.

Vamos exemplificar, a rede social japonesa MIXI tinha 85% do seu tráfego oriundo de desktops ou notebooks em 2005 e 15% do seu tráfego vinha de dispositivos móveis. Em 2010 esse gráfico se inverteu e 85% do acesso provêm de dispositivos móveis. Imagina se todo o modelo de negócios fosse atrelado apenas a publicidade, venda de banners ou links? O sucesso teria destruído a empresa, pois sem fonte de receita no mobile, o seu faturamento poderia cair 85% em cinco anos.

Outro ponto importante é que o acesso a informação de um usuário comum pode variar. O conteúdo que era consumido via um computador, hoje pode ser consumido de várias formas diferentes como aplicativos mobile, para computadores, SmartTvs, tablets, kindles entre outros.

Por meio do conceito da Onipresença da Informação podemos ajudar a explicar situações o porquê da queda das ações do Facebook, isto é, se o fenômeno da Mixi ocorrer com o Facebook e 85% da sua audiência passar a acessar pelo mobile, os resultados serão comprometidos e se não existir um modelo de monetização no mobile a capacidade de crescimento da empresa ficará prejudicada.

Outro aspecto que podemos ressaltar é por que o Facebook pagaria um bilhão de dólares por uma empresa sem faturamento como o Instagram? Esse valor exemplifica o desespero de conquistar um mercado que não é o dos desktops e notebooks e sim o dos celulares, já que o aplicativo do Instagram crescia a taxas maiores do que as do Facebook.

Temos que estar atentos a essa mudança de mercado. Na Onipresença da Informação, uma decisão de tecnologia errada pode comprometer bilhões. Em recente palestra de Mark Zuckerberg, no Tech Crunch Disrupt, ele disse que um dos maiores erros do Facebook foi ter apostado no HTML5 para a produção do seu aplicativo, ele afirmou que se antecipou a uma tecnologia que não estava madura o suficiente.

Quando se trata da Onipresença da Informação é relevante destacarmos: deve-se tratar com diferentes variáveis e tecnologias para construir uma empresa ou um produto que atenda o seu público.

Se você estiver usando o computador, além dos sites na internet, você deve criar aplicativos para MAC e para o Window 8, eles permitirão que você use todo o poder de processamento do computador e o acesso a internet para trazer mais interatividade aos usuários.

Já os dispositivos móveis, têm acesso a internet, a localização do usuário, além de permitir o uso de tecnologias como acelerômetro, giroscópio, NFC entre outras. Tudo isso está à disposição para melhorar a experiência do seu conteúdo.

Outro dispositivo que não deve ser ignorado é a própria SmartTV, que permite que você crie aplicativos que rodam na TV, além de novos produtos que têm saído, como relógios Bluetooth, que acessam os dados do seu celular, entre outros.

Se não bastasse toda essa miríade de produtos, é importante pensar em como eles interagem entre si. Podemos ter aplicativos em smartphones e tablets que sirvam de suporte para assistir televisão tornando o programa mais interativo. Por exemplo, podemos assistir um seriado e ao mesmo tempo, no ipad termos informações adicionais sobre o capítulo, além de poder conversar e interagir com seus amigos durante o programa.

A Onipresença da Informação veio para ficar e devemos pensar em modelos de negócio que atendam essas necessidades. Muitos modelos atuais, baseados em pageviews, devem se reinventar e tudo isso deve ser feito em menos de dois anos, se não pode ser tarde demais. Eu posso afirmar que muitas empresas de internet de sucesso deixarão de existir em pouco tempo e esse fenômeno vai chegar mais rápido do que o mundo corporativo está acostumado.

 

Fonte:Webinsider

Fale com Especialistas.